Jack Taylor/AFP
Jack Taylor/AFP

Estátua gigante de Blatter será queimada em celebração inglesa

Adereço de 11 metros será destruído em Edenbridge

Estadão Conteúdo

04 de novembro de 2015 | 13h14

Uma estátua gigante do presidente da Fifa, Joseph Blatter, que cumpre suspensão de 90 dias aplicada pelo Comitê de Ética da entidade, por suposta corrupção, será queimada neste sábado em uma tradicional celebração chamada de Bonfire Night e que anualmente ocorre em Edenbridge, no sudoeste da Inglaterra. O dirigente suíço acabou sendo escolhido como personalidade a ser retratada na estátua produzida para o evento deste ano da Edenbridge Bonfire Society, que nos últimos anos vem elegendo nomes do cenário mundial que se destacaram de forma negativa no ano da celebração do evento.

A estátua de Blatter tem 11 metros de altura e retrata o cartola de terno e gravata com uma bolsa cheio de dinheiro, na qual foi estampada o nome da Fifa, assim como traz também o suíço carregando uma bola e a taça dada ao campeão da Copa do Mundo. Não se tem notícia de que outro dirigente do futebol tenha sofrido tal desconforto.

O objeto precisou da ajuda de um trator para ser colocado de pé nesta quarta-feira, quando foram dados os últimos retoques na peça, apesar do fato de que a "obra de arte" será explodida e queimada sábado. 

Na celebração, será comemorado mais uma vez o sucesso de uma operação que evitou um atentado do fervoroso católico Guy Fawkes contra o Parlamento e o rei da Inglaterra, em 1605. O evento serve para festejar a prisão de Fawkes, ocorrida quando o mesmo iria detonar uma enorme quantidade de explosivos aproveitando a presença do rei protestante Jacobo I em Edenbridge.

A festa geralmente consiste em queimar a estátua do conspirador católico, que acabou sendo preso, torturado e se suicidou antes que fosse executado, mas nos últimos anos se tornou moda também erguer a estátua de outra personalidade famosa para também arder na fogueira acesa pelos organizadores. Primero-ministros como Tony Blair e Gordon Brown e o ex-presidente da Comissão Europeia, Jose Manuel Durao Barroso, que também foi primeiro-ministro de Portugal, estiveram entre as vítimas da celebração.

Ao comentar o fato de que a estátua do dirigente suíço será queimada neste sábado, Charles Laver, um dos organizadores do evento, disse que "Blatter era a escolha mais óbvia", depois de renunciar à presidência da Fifa poucos dias depois de ter sido reeleito, no fim de maio. Naquela ocasião, o cartola se viu pressionado a sair depois que uma grande operação policial realizada em conjunto entre as polícias dos Estados Unidos e da Suíça provocou a prisão de uma série de ex-dirigentes da Fifa, entre eles o ex-presidente da CBF José Maria Marin, que acaba de ser extraditado para Nova York após ficar mais de cinco meses preso em solo suíço.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.