Estevam quer manter concentração na Ponte

Dono de ótima campanha no Campeonato Brasileiro, a Ponte Preta planeja aproveitar bem esta primeira semana de folga para aperfeiçoar a sua parte física e tática. O time, com certeza, estará inteiro para a próxima rodada, quando enfrentará o Palmeiras, sábado, no Parque Antarctica.Após a vitória sobre o Atlético Mineiro, por 2 a 1, no Estádio Independência, o time campineiro chegou aos 10 pontos em quatro jogos, com três vitórias e um empate. Só que o técnico Estevam Soares não quer esmorecer, mesmo porque ele prevê uma reação dos adversários nas próximas rodadas. "Quem começa na frente precisa manter o ritmo e quem larga mal tem o desafio de se recuperar. Não existe moleza para ninguém", diz o técnico, que aproveitou o domingo para almoçar com a família na capital. À tarde, porém, esteve no Morumbi acompanhando o clássico entre Palmeiras e Corinthians. Com relação ao time, o técnico tem contado com a sorte. Não perdeu ninguém machucado e também não há nenhum problema de suspensão. Pelo contrário, deve ter a liberação do experiente Romeu, que só não jogou por causa de fortes dores de garganta e também do zagueiro Luiz Carlos, que cumpriu suspensão automática. Problema à vista - Se a situação do time é boa em campo, fora dele é preocupante. O clube é acusado de não dar segurança ao árbitro Wilson Luiz Seneme, no jogo em que a Ponte venceu o Corinthians por 3 a 2. A punição pode representar a perda de até três mandos de campo. Ano passado, fato semelhante atrapalhou o time, que também disputou três jogos fora do Majestoso. A acusação do árbitro é que um grupo de torcedores vestindo a camisa da Torcida Jovem teria chutado o carro do trio de arbitragem e também ameaçado com palavras de baixo calão. O caso será analisado nesta segunda-feira pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). Se for punido, a Ponte vai jogar fora de casa, provavelmente, contra o Coritiba, dia 16, Juventude, 29, e Figueirense, dia 13 de junho. Os jogos, segundo o regulamento, precisam ser disputadas numa cidade distante 150 quilômetros do local do incidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.