Estevam quer um time mais aguerrido

Antes do clássico diante do Corinthians, Estevam Soares disse que queria o Palmeiras jogando como "um time de machos". Mas o pedido do treinador, segundo o próprio, não foi atendido. No jogo desta quarta-feira, às 21h50, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, ele insiste na ordem. "A Ponte Preta é uma equipe briguenta e nós temos de brigar também. Brigar pela bola...", avisou. Tanto Estevam quanto os jogadores fazem questão de deixar claro que a derrota para o Corinthians já foi assimilada. Citam que sempre após uma aparesentação decepcionante, o Palmeiras conseguiu se reerguer imediatamente. "Foi assim depois que perdemos para o Goiás (3 a 0, no Palestra Itália) e, no jogo seguinte, vencemos o Criciúma, em Santa Catarina", lembrou o zagueiro Leonardo, que irá substituir Nen, suspenso. "Nossa equipe tem um poder de superação muito grande", emendou o atacante Thiago Gentil. Para Estevam Soares, a partida desta quarta-feira tem um gostinho especial. Será a primeira vez que enfrentará o time que conduziu durante quase todo o primeiro turno deste Brasileiro. "Assumi a Ponte no dia 5 de janeiro. O time tinha apenas dez jogadores. Mas, com trabalho, conseguimos formar uma grande equipe, que está até hoje entre as líderes do campeonato", explicou. O treinador do Palmeiras entende que a Ponte pouco mudou desde que ele saiu de lá, ao menos na sua escalação. "Entraram apenas o Júlio César e o Lindomar, mas o esquema continua o mesmo, com três volantes, um meia e dois atacantes rápidos", revelou. "Mas o fato de eu ter trabalhado lá não me ajuda muito. Na hora do jogo, a história é completamente diferente." Visita - O elenco do Palmeiras reencontrou nesta terça-feira o técnico Jair Picerni, atualmente no Atlético-MG. Adversário do Corinthians na quarta, ele levou sua equipe para treinar no CT palmeirense, na Barra Funda. Um lugar que freqüentou por um ano e meio. "Trouxe meu time aqui para pegar o bom astral do Palmeiras e do Estevam", disse Picerni, sorridente. Ele ficou por quase duas horas dando e recebendo abraços. Foi com o goleiro Marcos, que se recupera de duas cirurgias na mão esquerda, com quem passou mais tempo conversando. "É uma honra voltar ao Palmeiras e rever os amigos", disse Picerni, campeão da Série B com o time em 2003. "Agradeço ao presidente Mustafá pelas conquistas que tivemos aqui."

Agencia Estado,

31 Agosto 2004 | 20h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.