Ulises Ruiz/AFP
Ulises Ruiz/AFP

'Estive à beira da morte, isso não é nada', diz Maradona após derrota no México

Técnico do Dorados de Sinaloa perdeu a final do segundo turno da 2ª divisão do país na madrugada desta segunda-feira

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de maio de 2019 | 09h20

O técnico Diego Maradona minimizou a derrota que sua equipe, o Dorados de Sinaloa, sofreu na final do segundo turno da segunda divisão do Campeonato Mexicano. O time caiu diante do Club Atletico San Luís por 1 a 0 na prorrogação, após empate por 0 a 0 no tempo normal.

O argentino buscava o primeiro título da sua 'tortuosa' carreira como técnico. O Dorados, por sua vez, lutava por uma chance de disputar o acesso à primeira divisão. Para isso, precisava vencer o San Luís na final do segundo turno para, assim, ganhar a chance de disputar a grande final da segundona mexicana, onde enfrentaria o mesmo San Lúis, que havia sido o campeão do primeiro turno.

O Dorados, no entanto, ficou mais longe da vitória que precisava ao levar gol do zagueiro Unai Bilbao na primeira etapa da prorrogação. E ainda teve um jogador expulso no segundo tempo extra, minando as suas chances. No primeiro jogo da final do 'Clausura' mexicano, os dois times empataram em 1 a 1. E com a vitória na segunda partida, o San Luís garantiu antecipadamente o acesso à Primeira Divisão do México.

Maradona admitiu o incômodo com a derrota, mas esteve resiliente após o apito final. Com calma, atendeu dois fãs que pediram fotos enquanto se dirigia para o ônibus da equipe na saída do estádio Alfonso Lastras. Perguntado sobre a perda do título do segundo turno da 2ª divisão, ele minimizou a perda do que seria o seu primeiro título como treinador profissional.

"Eu já estive à beira da morte. Para mim, isso... não é nada", afirmou o técnico, que assumiu o Dorados no primeiro turno da segunda divisão mexicana, em 2018. "Estou triste pelos meus garotos".

Maradona iniciou a carreira de treinador logo ao se aposentar da carreira de atleta, nos anos 1990, treinando algumas equipes argentinas. Depois, ficou sem exercer o cargo por muitos anos até 2009, quando assumiu a seleção da Argentina e levou a equipe até as quartas de final da Copa do Mundo da África do Sul. Ainda, passou pelo futebol dos Emirados Árabes até chegar ao Dorados no ano passado, comandando o time por 30 jogos - 17 vitórias, oito empates e cinco derrotas.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolMaradona

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.