Christian Hartmann/ Reuters
Christian Hartmann/ Reuters

'Estou apenas começando, grandes coisas ainda virão', diz Mbappé

Eleito revelação da Copa, atacante francês promete muito mais após primeiro título mundial

Gonçalo Junior, enviado especial / Moscou, O Estado de S.Paulo

15 Julho 2018 | 19h10

Os quatro gols que marcou na Copa do Mundo da Rússia, com participação importante no título francês, é apenas o início da história de Mbappé na seleção. É uma promessa do próprio atacante. Com 19 anos, seis meses e 20 dias, o atacante se tornou segundo jogador sub-20 a fazer gols na final de um Mundial. Em 1958, Pelé fez dois nos 5 a 2 sobre a Suécia, na decisão. Na ocasião, o Rei do Futebol tinha apenas 17 anos.

+ Após quebrar protocolo em premiação, Macron diz 'obrigado' à seleção francesa

+ Após festa em coletiva, Deschamps exalta grupo: 'Está ligado para sempre'

+ Franceses tomam as ruas de Paris para festejar o título da Copa do Mundo

"Marcar numa final é sempre particular. Eu sempre trabalhei para chegar até aqui e momento como esse. Mas esse não é o fim. Eu quero ir mais longe", afirmou o jogador diante de dezenas de jornalistas internacionais.

"Estou apenas começando a escrever minha história", declarou o atacante na saída do estádio Luzhniki. "Quero ir até onde o meu limite permitir. Ganhar uma Copa do Mundo sempre abre novas portas. Agora, é continuar a trabalhar. Estou no começo da caminhada. Grandes coisas virão", disse.

Mbappé foi eleito como o jogador revelação do torneio. Em 2014, seu colega Paul Pogba havia conquistado a mesma distinção. "Ter qualidade não é suficiente. É preciso acreditar. Numa competição como essa, não é necessariamente o mais forte que ganha. Mas também quem acredita mais", disse Mbappé.

 

O jovem atacante não teve apenas bons momentos no torneio. Diante do Uruguai, ele levou uma bronca de Deschamps quando estava provocando os jogadores uruguaios. "Pare de fazer m...", disse o treinador após um lance que rendeu o cartão amarelo.

"Você precisa estar pronto mentalmente para essas coisas. Depois precisa mostrar. Certamente a seleção representa muita pressão. Mas se você tem confiança em si e grandes companheiros, as coisas acontecem naturalmente. Eu não jogo sozinho", diz a revelação da Copa da Rússia.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.