Stringer/Efe
Stringer/Efe

'Estou feliz por voltar à seleção', diz Ronaldinho

Jogador do Milan fica em campo até os 27 minutos do segundo tempo e espera retornar em novas convocações

AE, Agência Estado

17 de novembro de 2010 | 18h22

Mesmo com a derrota para a Argentina por 1 a 0, Ronaldinho Gaúcho revelou a sua felicidade por ter voltado a defender a seleção brasileira nesta quarta-feira, durante o amistoso disputado em Doha, no Catar. Ele foi titular do time e ficou em campo até os 27 minutos do segundo tempo, quando foi substituído por cansaço. E teve a atuação elogiada pelo técnico Mano Menezes.

Veja também:

linkMessi marca e Argentina vence

 

A última partida de Ronaldinho com a camisa do Brasil tinha acontecido em abril do ano passado, quando entrou no segundo tempo da vitória sobre o Peru pelas Eliminatórias da Copa de 2010. Depois disso, foi esquecido por Dunga. Mas, agora com o comando de Mano Menezes, ele ganhou a chance de voltar ao grupo da seleção, entrando até mesmo como titular.

"É maravilhoso estar aqui. Estou feliz por voltar à seleção, mas muito triste pelo resultado", afirmou Ronaldinho, que admitiu o cansaço durante o amistoso desta quarta-feira, principalmente por não estar jogando muito no Milan - tem ficado no banco de reservas da equipe italiana. "Deu para manter um bom ritmo no primeiro tempo. No segundo, dei uma caída."

Durante a derrota para a Argentina, Ronaldinho teve uma grande chance de gol. Foi aos 21 minutos do primeiro tempo, quando ele recebeu a bola sozinho na pequena área e, de costas para o gol, tentou de calcanhar, mas o goleiro Romero fez a defesa. "Não deu para ver se estava marcado. Então, tentei de calcanhar", lamentou o jogador, ao comentar o lance.

Depois desse retorno, Ronaldinho espera ser lembrado nas próximas convocações da seleção brasileira, para continuar no grupo de Mano Menezes. "Agora é continuar trabalhando no Milan para dar continuidade aqui na seleção", afirmou o jogador, que está com 30 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.