Pedro Vilela/Divulgação
Pedro Vilela/Divulgação

Estrangeiros em baixa no Campeonato Brasileiro

Apenas Montillo e Loco Abreu apareceram com grande destaque durante o nacional

Daniel Batista, estadão.com.br

07 de dezembro de 2011 | 10h52

SÃO PAULO - Nos últimos anos, os estrangeiros têm aparecido com destaque no Campeonato Brasileiro. No ano passado, por exemplo, o argentino Dario Conca, do Fluminense, foi uma das estrelas da competição. Mas em 2011, quem ditou o ritmo da competição foram os brasileiros. Os estrangeiros que tiveram um pouco mais de destaque foram Montillo e Loco Abreu.

Apesar da fraca campanha do Cruzeiro no Brasileiro, Montillo brilhou, tanto que figurou na seleção do campeonato, eleita pela CBF. Já o atacante uruguaio Loco Abreu foi a principal arma do Botafogo ao longo da competição ao marcar 13 gols e ser o artilheiro da equipe na competição.

Outros 23 estrangeiros, divididos em 11 times, atuaram ao longo da competição. Alguns sofreram com lesões, outros vieram como promessas e não deram certo e ainda teve os casos de quem chegou cheio de moral e foi um fiasco.

Casos, por exemplo, do argentino Martinuccio, no Fluminense. Após uma longa briga judicial entre Palmeiras e Fluminense, o time carioca levou a melhor e ficou com o meia, destaque do Peñarol. Mas ele fez apenas 14 jogos e marcou um gol, acabando o ano como reserva.

Jogadores como Valdivia e D'Alessandro, que tanto já brilharam com as camisas de Palmeiras e Internacional, respectivamente, não tiveram um ano tão bom, muito decorrente de lesões que perseguiram os atletas ao longo da temporada.

O estrangeiro que mais atuou no Brasileiro foi o argentino Herrera, companheiro de Loco Abreu no ataque do Botafogo. Ele fez 31 jogos e marcou apenas sete gols.

O curioso é que poucos defensores estrangeiros atuaram na competição. A lista é dominada por meias e atacantes.

Veja a lista completa dos estrangeiros que atuaram no Brasileirão, a quantidade de jogos e de gols.

Goleiros:

Nenhum

Lateral-direito:

Piris (Paraguai, São Paulo) - 17 jogos / 1 gol

Lateral-esquerdo:

Ninguém

Zagueiros:

Victorino (Uruguai, Cruzeiro) - 14 jogos / 0 gol

Volantes:

Guiñazu (Argentina, Internacional) - 28 jogos / 0 gol

Maldonado (Chile, Flamengo) - 8 jogos / 0 gol

Meias:

Montillo (Argentina, Cruzeiro) - 33 jogos / 12 gols

D’Alessandro (Argentina, Internacional) - 28 jogos / 8 gols

Bottinelli (Argentina, Flamengo) - 25 jogos / 5 gols

Lanzini (Argentina, Fluminense) - 21 jogos / 2 gols

Bolatti (Argentina, Internacional) - 19 jogos / 1 gol

Valdivia (Chile, Palmeiras) - 15 jogos / 2 gols

Martinuccio (Argentina, Fluminense) - 14 jogos / 1 gol

Fierro (Chile, Flamengo) - 11 jogos / 0 gol

Luis Ramirez (Peru, Corinthians) - 6 jogos / 1 gol

Cañete (Argentina, São Paulo) - 2 jogos / 0 gol

Atacantes:

Herrera (Argentina, Botafogo) - 31 jogos / 7 gols

Escudero (Argentina, Grêmio) - 30 jogos / 4 gols

Ortigoza (Paraguai, Cruzeiro) - 24 jogos / 2 gols

Guerrón (Equador, Atlético-PR) - 22 jogos / 6 gols

Loco Abreu (Uruguai, Botafogo) - 22 jogos / 13 gols

Nieto (Argentina, Atlético-PR) - 19 jogos / 4 gols

Miralles (Argentina, Grêmio) - 17 jogos / 2 gols

Morro Garcia (Uruguai, Atlético-PR) - 15 jogos / 2 gols

Farias (Argentina, Cruzeiro) - 8 jogos / 2 gols

Renteria (Colômbia, Santos) - 6 jogos / 1 gol

Cavenaghi (Argentina, Internacional) - 2 jogos / 1 gol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.