Pedro Souza/Atlético Mineiro
Pedro Souza/Atlético Mineiro

Contra o Bahia, Atlético-MG aposta na volta de estrangeiros para acabar com os altos e baixos

Equipe mineira chegou a liderar o Brasileirão com folga, mas perdeu a posição para o Flamengo

Redação, Estadão Conteúdo

19 de outubro de 2020 | 07h17

O Atlético-MG nadava de braçada no Brasileirão antes dos jogos das Eliminatórias para a Copa do Mundo. Liderava com 27 pontos, diante de 22 do Internacional. Ao perder os convocados Alonso, Franco e Savarino, viu a "gordura" secar e o desempenho cair. Nesta segunda-feira, diante do Bahia, às 20 horas, em Salvador, o trio volta para reconduzir a equipe à liderança.

Foram três jogos sem o zagueiro, o meia e o atacante e uma visível queda de rendimento. Com o trio, o time liderava com cinco pontos de vantagem e 75% de aproveitamento.

Vieram as partidas das Eliminatórias e o desempenho despencou. A ponto de o time iniciar a rodada com os mesmos 31 pontos de Flamengo e Internacional e oscilar sem os estrangeiros. Foram somente quatro pontos somados em nove, ou rendimento de 44,4%.

Jorge Sampaoli festeja demais os retornos. O defensor paraguaio é homem de confiança do treinador, a ponto de ter jogado todas até ser liberado para defender a seleção do seu país. Com Alonso, o Atlético-MG cresce de rendimento defensivo.

Já o paraguaio Franco é considerado um jogador polivalente. Um motorzinho no meio. E, com a suspensão de Allan pelo terceiro cartão amarelo, é possível que reveze com Nathan na função de segundo volante e armando as jogadas.

Savarino, por sua vez, é o tipo de atacante que todo treinador gosta. Ele ataca e ajuda demais na marcação. O venezuelano jogou 10 vezes ao lado de Keno neste Brasileirão. E o resultado não poderia ser melhor. A equipe ganhou todas. Não à toa, é considerado o parceiro ideal do artilheiro, que fez sete gols nos últimos três jogos atuando com o companheiro. Sem ele, fez apenas um gol, de pênalti.

Reforçado do trio, o Atlético-MG não esconde que será ofensivo em Pituaçu. Quer explorar o mau momento dos baianos e o fato de não terem o técnico Mano Menezes nem o auxiliar Sidnei Lobo na beirada do campo. Ambos estão suspensos.

Depois de apenas empatar com o Fluminense (1 a 1) e perder o rendimento perfeito em casa, os mineiros sabem da necessidade de recuperação dos pontos longe do Mineirão.

Problemas no Bahia

Tentando se recuperar no Campeonato Brasileiro, o Bahia não terá vida fácil nesta segunda-feira, já que encara o Atlético-MG, em Pituaçu, às 20 horas, pela 17ª rodada. Um dos melhores times deste primeiro turno da competição, o time comandado por Jorge Sampaoli é candidato ao título.

A equipe de Mano Menezes vem de um empate por 1 a 1 com o Goiás e chega desfalcado, inclusive do próprio treinador. Contra os goianos, Mano e seu auxiliar Sidnei Lobo foram expulsos, bem como os atacantes Élber e Rossi. Fessim, Clayson e Gilberto devem formar o trio de frente, e o treinador auxiliar Cláudio Prates comanda o time da beira do gramado.

O meia Rodriguinho segue se recuperando de lesão e também é desfalque, enquanto o zagueiro Ernando está em fase final de recuperação e pode aparecer como surpresa no banco de reservas.

Para o confronto em Salvador, o time da casa deve começar jogando com Douglas Friedrich; Nino Paraíba, Lucas Fonseca, Juninho e Juninho Capixaba; Gregore, Elias e Daniel; Fessin, Clayson e Gilberto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.