Estratégia de Marcelinho é recorrer

Atordoados com a decisão judicial desfavorável, a equipe de assessores e advogados de Marcelinho já definiu: uma de suas apostas para tentar reverter o quadro será contar com a burocracia e a tradicional lentidão da Justiça. O trâmite legal possui diversas etapas. É necessário que o Corinthians notifique a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) de que o atestado liberatório que permitia ao atleta jogar por outro clube não é mais válido. Então é a vez da entidade comunicar isso à Fifa, que por sua vez passa a informação à Confederação Japonesa e, por fim, a encaminha ao Gamba Osaka. Especula-se que todo esse processo leve de 10 a 15 dias para ser formalmente concluído. Até lá, a estratégia é recorrer da decisão e conseguir um efeito suspensivo que permita ao jogador não só continuar atuando pela equipe japonesa como prorrogar o pagamento da indenização de R$ 5.020.000,00 ao Corinthians, definida pela Justiça brasileira. Outro artifício utilizado será o de protelar o recebimento da notificação oficial da sentença. Embora o documento já esteja concluído e nas mãos dos advogados da Corinthians Licenciamentos, os defensores de Marcelinho vão esperar a chegada dos mesmos. Por meio de sua assessoria de imprensa, o advogado João Paulo Morello afirmou que isso só deve ocorrer no dia 26, data prevista para a publicação no Diário Oficial. Só depois de analisar a sentença, os advogados do atleta vão se manifestar oficialmente sobre os passos a serem tomados. Mas uma coisa já está certa: vão recorrer.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.