Bruno Cantini / Agência Galo / Atlético
Bruno Cantini / Agência Galo / Atlético

Estreantes no Independência, Maílton e Allan comemoram goleada

Jogadores recém-chegados ao clube vivem tarde dos sonhos em vitória sobre o Tupynambás

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de janeiro de 2020 | 20h00

A goleada do Atlético Mineiro sobre o Tupynambás por 5 a 0, em rodada do Campeonato Mineiro, foi especial para alguns jogadores que vestiram pela primeira vez a camisa do clube diante da torcida no Independência, em Belo Horizonte. Os estreantes deram a tônica da confiança e do entusiasmo em fazer uma grande temporada.

Para Maílton, que balançou as redes, "o que vale é vencer sempre". Ele diz que ainda espera melhorar, após um gol e duas assistências na partida. "Ainda é começo de temporada e não estamos na melhor condição da equipe. Todos vão crescer de produção", garantiu.

Gabriel, que também marcou na partida, foi outro a vibrar com a expressiva vitória. "Estou muito feliz pelo retorno ao clube (ano passado esteve emprestado ao Botafogo). Sou um soldado querendo ajudar, porque sei que o nosso elenco tem grandes zagueiros. O gol eu dediquei à minha esposa Rafaela que está grávida", revelou

O volante Allan também comentou sobre este início de temporada. "Todo começo é difícil, inclusive, neste jogo a gente teve que entender a forma de defender do adversário. Estava ansioso pela estreai, mas estou feliz porque sei que posso melhorar junto com a equipe."

O artilheiro Di Santo também valorizou a liderança após dois jogos, com ele marcando um gol e cada um deles. "Como atacante, a minha obrigação é marcar gols. Isso é importante para mim e para o time". O capitão Fábio Santos comemorou seu 20º gol com a camisa atleticana, 17 deles de pênalti. O seu aproveitamento em penalidades é excelente - perdeu apenas um em 18 chutes. "A gente treina muito e tem experiência para cobrar", assegurou.

Quem viveu momentos distintos em campo foi o atacante Bruno Silva, de 19 anos, vindo da Chapecoense. Ele se emocionou ao marcar o quinto gol, instantes depois de entrar no lugar de Di Santo. Mas, quando faltavam poucos minutos para o término do jogo, ele sentiu uma lesão muscular e deixou o time com dez jogadores porque as três trocas já tinham sido processadas. "Estou chateado porque eu preciso de uma sequência de jogos. Mas vou me recuperar e voltar rapidamente, com certeza, não vai faltar vontade."

O técnico venezuelano Rafael Dudamel repetiu após o jogo suas palavras antes dele. "Nós vamos valorizar cada aplauso e cada gesto de carinho da torcida, porque nós vamos dar o máximo para dar alegria para ela."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.