Estreia de Ronaldo faz Itumbiara viver dia histórico

Do prefeito até o morador mais humilde, a passagem do Fenômeno jamais será esquecida

Marcel Rizzo, Jornal da Tarde

05 de março de 2009 | 09h30

O confronto desta quarta-feira pela Copa do Brasil foi chamado em Itumbiara de "Jogo do centenário". Em 12 de outubro, a cidade do sul goiano completará 100 anos. E todos, do prefeito José Gomes da Rocha ao morador mais humilde, afirmam que esta quarta foi o dia mais glorioso da história da cidade.Veja também:Ronaldo estreia e Corinthians se classifica na Copa do BrasilJogadores do Corinthians destacam felicidade de Ronaldo 'Foi o primeiro passo para a volta de Ronaldo', diz Mano Ronaldo não dá entrevista após retorno ao futebol Bate-Pronto: 27 minutos com RonaldoDoze times garantem vagas na 2.ª fase da Copa do Brasil Veja mais imagens da estreia de Ronaldo Ouça os gols no Território Eldorado Copa do Brasil -Tabela e resultados Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão "Quando vamos ver uma estrela desse porte aqui outra vez? Eu te digo: Nunca!", disse o torcedor Carlos Batista Orezzo, de 56 anos. "É Itumbiara para o mundo", exagerou o prefeito.A presença do maior goleador das Copas do Mundo mexeu com a rotina da cidade de 90 mil habitantes. Durante todo o dia, dezenas de torcedores passaram pela porta do hotel em que o time alvinegro estava concentrado.Alguns até alugaram barcos para tentar se aproximar do hotel pelo Rio Paranaíba. Exibiam bandeiras do Corinthians e pediam para Ronaldo aparecer em uma das sacadas dos quartos.Alguns sortudos conseguiram acesso ao saguão do hotel, que só permitia a entrada de hóspedes. Mas os seguranças não deixaram Ronaldo sozinho por um segundo sequer. O máximo que os fãs conseguiram foi registrar uma imagem do Fenômeno. "Vai ser difícil um autógrafo dele", admitiu Maicon Ribeiro, de 23 anos, que já havia recolhido assinaturas de quase todos os outros jogadores. A saída para o estádio ocorreu 20h20. Muitos torcedores aguardavam na entrada do hotel, mas o elenco saiu por uma porta lateral, direto para o ônibus. Vinte minutos depois,a chegada ao estádio foi tranquila, já que a polícia isolou a área de entrada do vestiário. As arquibancadas do JK foram inundadas por bandeirinhas do Itumbiara, distribuídas pela prefeitura. O nome de Ronaldo foi gritado o tempo todo. Os corintianos, cerca de três mil, imaginavam como seria o primeiro gol do craque.Mas também houve provocações. Os torcedores locais deram uma amostra do que o Fenômeno ouvirá dos rivais daqui para frente: "A, e, i, trocou a Cicarelli para ficar com o travesti!"ENTRADA TRIUNFALNa boca do túnel, algo inédito: um cordão de seguranças para isolar o Fenômeno de jornalistas e curiosos que estavam no gramado. Às 21h20, o atacante subiu para o aquecimento com os companheiros. Quinze minutos depois, ele desceu, sempre cercado por homens de preto.Às 21h50, o Corinthians entrou em campo: enquanto os titulares foram para o centro do gramado, Ronaldo correu para o banco de reservas, cercado por seguranças e uma multidão de repórteres e cinegrafistas. Pegou um colete laranja e sentou-se. A poucos metros dali, Mano Menezes via tudo de braços cruzados. Ele deve ter percebido o que o espera no resto do ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.