Estrela da Austrália, Viduka acredita em vitória sobre o Brasil

Mark Viduka tem moral na Austrália. É capitão da seleção e considerado o melhor jogador do país. De fato, é bom. Sabe se colocar na área, é ótimo cabeceador, tem bom chute e demonstra uma qualidade não pouco comum nos centroavantes: quando é preciso, exerce a função de pivô com rara eficiência. Mas anda de mal com o gol. Pela equipe nacional australiana, aliás, marcou apenas seis vezes em 35 jogos. Mesmo assim, não perde a confiança, nem nele nem nos companheiros.O atacante está convicto de que a Austrália pode vencer o Brasil no domingo. ?Por que não? Nada é impossível. Ganhamos deles em 2001 (na Copa das Confederações, quando os brasileiros, dirigidos por Leão, levaram um time C), podemos repetir", disse.Viduka foi um dos jogadores australianos que mais falou desde terça-feira, dia seguinte à vitória sobre o Japão por 3 a 1. E teve um comportamento comum aos jogadores em competições da importância de uma Copa do Mundo. Com jornalistas de seus país, demonstra plena confiança na conquista de uma vitória esta tarde em Munique; quando percebe a presença de estrangeiros, torna-se mais respeitoso e prudente.?O Brasil tem um grande time", concluiu na sexta-feira, logo depois de ter falado que percebeu os pontos vulneráveis do Brasil na partida contra a Croácia. "Os jogadores brasileiros são bons, mas são pessoas como nós, podemos vencer. Vai ser um jogo duro."O realismo de tal declaração contrastou com o que ele falara dois dias antes, talvez ainda empolgado com a vitória sobre os japoneses: ?Vamos vencer o Brasil, não há limites para nós. Os brasileiros certamente estão preocupados conosco."Homenageado na quinta-feira pelo Estado alemão de Bad Würtemberg, onde está Öhringen, cidade escolhida pela Austrália para seus treinamentos - recebeu uma peça de bronze com o seu pé direito moldado -, Viduka, porém, está preparado para o caso de um ?tropeço?? em Munique. Ele alerta que uma derrota não será o fim do mundo, pois os australianos poderão decidir a vaga na última rodada com a Croácia. ?Mas numa Copa do Mundo você precisa entrar pensando que cada jogo éuma decisão. Mesmo nessa fase."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.