Natacha Pisarenko/AP
Natacha Pisarenko/AP

Estudiantes vence Nacional e abre vantagem na Libertadores

Equipe argentina necessita de um simples empate, na partida de volta, para chegar à final da competição

AE, Agencia Estado

25 de junho de 2009 | 22h22

O Estudiantes dominou o primeiro jogo contra o Nacional pelas semifinais da Copa Libertadores nesta quinta-feira, mas a vitória por 1 a 0 acabou sendo pouco para o time argentino. Jogando em casa, em La Plata, a equipe do experiente Verón poderia ter conquistado um resultado melhor. Agora, vai com vantagem para a segunda partida, em Montevidéu, mas ainda deixa o algoz do Palmeiras com boas chances de classificação à final.

Veja também:

especialLeia mais da Libertadores no canal especial

tabela Copa Libertadores - Classificação e Calendário 

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

As equipes voltam a se enfrentar na próxima quarta-feira, no Estádio Centenário. O Estudiantes tem a vantagem do empate, mas o Nacional leva a decisão para os pênaltis com uma vitória simples. A seu favor, a equipe argentina tem o fato de poder se classificar com derrotas por um gol de diferença, desde que também marque fora de casa. Quem avançar enfrenta o vencedor do confronto brasileiro entre Cruzeiro e Grêmio - o time mineiro venceu o primeiro jogo por 3 a 1.

Na partida em La Plata, o Estudiantes aproveitou o apoio da torcida, que lotava o estádio, para pressionar o Nacional desde o início. O placar já poderia ter sido aberto logo aos sete minutos, quando o goleiro Muñoz fez duas defesas na sequência e começou a se destacar no jogo. Aos 14, porém, o arqueiro da equipe uruguaia nada pôde fazer para evitar o gol dos argentinos, em jogada que começou com o veterano Verón.

O meia de 34 anos aproveitou o vacilo do Nacional e cobrou falta rápida, ainda antes do meio de campo. O lançamento foi preciso e encontrou Benítez. Ele avançou pela direita e cruzou para Galván, que se antecipou à saída errada de Muñoz, marcando de cabeça. No restante do primeiro tempo, o Estudiantes seguiu melhor, com os visitantes se esforçando para equilibrar o jogo, mesmo que sem criar nenhuma chance real de gol.

Para o segundo tempo, os anfitriões tiveram que superar a ausência de Verón, que sentiu dores na panturrilha direita e foi substituído por Matias Sánchez. A modificação, porém, não mudou a forma de jogar do Estudiantes. O time argentino só foi ameaçado pelo Nacional logo aos três minutos. Após cobrança de falta na área, García apareceu completamente livre de marcação, na cara do goleiro Andújar. Mas o atacante fez o mais difícil, e cabeceou para fora.

A etapa final ficou marcada pelas chances desperdiçadas pelo Estudiantes. A primeira oportunidade clara de ampliar a vantagem para o segundo jogo veio aos 36 minutos, com Nuñez, que limpou a marcação e chutou para fora. Já aos 43, foi a vez do atacante Boselli falhar na hora de concluir. Ele partiu em direção ao gol com a bola dominada e decidiu bater na saída de Muñoz. Não contava, porém, com a defesa arrojada do goleiro, que manteve as chances do Nacional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.