AFP
AFP

Estudo aponta que obras na cobertura do Engenhão foram desnecessárias

Falhas na cobertura do estádio eram diferenças normais para construções de grande porte

Marcio Dolzan, Estadão Conteúdo

05 Outubro 2016 | 12h44

O Engenhão pode ter ficado 23 meses fechado e consumido R$ 100 milhões à toa. É o que afirma um novo estudo realizado por duas empresas, que concluiu que as falhas apontadas na cobertura do estádio eram diferenças normais para construções de grande porte e que não havia sinal de desgaste. O laudo que apontou problemas na estrutura foi apresentado em março de 2013 por uma empresa alemã, e é contestado agora por um novo estudo conduzido pelas empresas DFA Engenharia e pela Controlatto. A informação sobre o novo estudo foi revelada pela rádio CBN Rio.

À época da interdição, a recomendação era taxativa. "O reforço estrutural imediato da cobertura do estádio é imprescindível para que possa ser utilizado com os níveis mínimos de segurança exigidos pela legislação vigente", afirmou trecho do relatório final elaborado pela Comissão Especial de Avaliação do Engenhão, criada à época pela prefeitura do Rio.

Os estudos técnicos da empresa alemã SBP apontaram que os arcos de sustentação da cobertura haviam tido um deslocamento lateral 50% superior ao previsto no projeto. Cálculos de engenheiros alertaram para o perigo de queda da cobertura em caso de ventos com velocidade superior a 63km/h ou se exposta a baixas temperaturas - esta uma possibilidade menor de se registrar no Rio.

A análise realizada agora contesta os dados. Os critérios utilizados nos cálculos da SBP para apontar a necessidade de reforço eram diferentes dos utilizados à época da construção do estádio, o que acabou levando a conclusões diferentes. A empresa alemã não teria considerado a topografia da região do Engenhão.

Em função das obras de reforço na estrutura, o estádio ficou fechado por 23 meses. O Botafogo, que é o arrendatário do Engenhão, acabou sendo um dos mais prejudicados, já que o clube ficou sem um local para jogar e sem uma importante fonte de renda.

Procurado pelo Estadão.com nesta quarta-feira, o clube informou por intermédio da assessoria da presidência que, por ora, não vai comentar o resultado do novo estudo. O material deverá ser analisado pelos advogados do clube antes de qualquer posicionamento oficial. A Prefeitura do Rio ainda não se posicionou.

Sede das competições de atletismo e de oito partidas de futebol nos Jogos Olímpicos do Rio, o Engenhão segue entregue ao Comitê Rio-2016 e dificilmente receberá partidas do Campeonato Brasileiro neste ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.