Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Alfredo Rizzutti/Estadão
Alfredo Rizzutti/Estadão

Eternos rivais, Corinthians e Ponte revivem decisão histórica de 77

Quarenta anos depois, Basílio e Dicá falam ao Estado sobre confronto que marcou uma geração

Daniel Batista e Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

24 de abril de 2017 | 07h00

Quarenta anos depois, Corinthians e Ponte Preta voltam a decidir um título de Campeonato Paulista, revivendo um dos momentos mais importantes da história do time de Parque São Jorge. Foi em 1977 que o Corinthians saiu da fila de 23 anos, com gols de Basílio, após ganhar da Ponte por 1 a 0 na final daquele Estadual. Desde então, essa rivalidade atravessa gerações. 

Será a terceira vez na história que os clubes se enfrentam em final. Além de 1977, o time da Capital levou a melhor em 79. “É gratificante uma nova decisão entre esses times, ainda mais agora, pelas homenagens dos 40 anos daquela partida”, disse Basílio, o primeiro pé de anjo corintiano. “Aquele time da Ponte era brincadeira! Era um supertime, mas na superação nós marcamos certinhos e fomos campeões”, disse. Basílio será um dos personagens mais ouvidos da nova final. Sua história, desde então, se confunde com a história do clube. 

As três partidas daquela final foram realizadas no Morumbi. No primeiro confronto, com gol de Palhinha, o Corinthians ganhou de 1 a 0. No duelo seguinte, houve vitória da Ponte por 2 a 1 diante de 138.032 pagantes. Dicá e Rui Rei fizeram os gols do time de Campinas, enquanto Vaguinho descontou.

Na terceira e derradeira partida veio a vitória heroica do Corinthians, com o gol de Basílio, que garantiu ao time o fim do longo jejum de títulos.  Dicá, ex-jogador da Ponte, esteve presente nas duas ocasiões, em 77 e 79. “A Ponte era superior ao Corinthians, e provou isso naquele ano, quando ficou marcada como uma grande equipe do futebol brasileiro. Para o Corinthians foi uma vitória histórica e heroica”, lembra.

Dentre os 93.573 torcedores presentes no Morumbi para assistir ao antológico gol de Basílio, um jovem corintiano chamado Roberto de Andrade vivia uma de suas maiores emoções, sem imaginar que 40 anos depois fosse reencontrar a Ponte em outra final, mas na condição de presidente corintiano. 

“Estava no estádio e foi o título mais importante que vi. Tinha 17 anos e nunca tinha visto o Corinthians ser campeão. Foi um título que mexeu com todos os corintianos, inclusive comigo”, diz.

Embora 1977 tenha sido eternizado, em 79 os clubes também decidiram o Paulista. O primeiro jogo foi 1 a 0 para o Corinthians. No segundo, empate sem gols. O terceiro deu Corinthians, 2 a 0, confirmando o título. Para Dicá, chegou a hora de a Ponte conquistar um título. “A Ponte cresceu muito, mas falta uma conquista para se efetivar como quinta força de São Paulo”, diz Dicá. “São times equilibrados. Vejo o Corinthians à frente”, diz Basílio. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.