EUA e Costa Rica querem manter ponta das Eliminatórias

Estados Unidos e Costa Rica, que dividem a liderança do hexagonal final da Concacaf à Copa do Mundo de 2010, voltam a jogar este fim de semana e querem manter os 100% de aproveitamento.

EFE

27 de março de 2009 | 13h59

Veja também:

linkFederação mexicana pede desculpas por atitude de jogador em coletiva

especialVisite o canal especial das Eliminatórias da Copa

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

Os costarriquenhos, que superaram Honduras em casa, vão à Cidade do México encarar a seleção local, que precisa dos três pontos para apagar a derrota para os Estados Unidos na estreia. O jogo será às 19 horas de Brasília, no Estádio Azteca.

A equipe, comandada por Rodrigo Kenton, sonha com outra zebra como a de 2001, quando bateu o México por 2 a 1. A Costa Rica defende uma invencibilidade de nove jogos nas Eliminatórias - o maior de uma seleção das Américas nesta edição.

Enquanto os visitantes estão bastante otimistas, a situação não é nada boa no México. O técnico Sven-Goran Eriksson corre risco de demissão em caso de um novo tropeço, e o atacante Nery Castillo se envolveu em uma polêmica ao chamar um jornalista pra briga em entrevista coletiva - o que já foi desculpado pela federação.

Os donos da casa não terão o zagueiro Rafael Márquez e o meia-atacante Giovanni dos Santos, do Ipswich Town, machucados. Já o meio-campo naturalizado brasileiro Sinha não foi chamado com o argumento de que ele não se encaixa em seu esquema.

Os americanos vão a El Salvador enfrentar a seleção local e buscarão os três pontos, mesmo atuando no estádio Cuscatlán. O técnico Bob Bradley disse que a vitória de 2 a 0 sobre o México, na primeira rodada, já faz parte do passado.

Ele espera muitas dificuldades no Estádio Cuscatlán, em San Salvador, embora tenha ampla vantagem no retrospecto - venceu 13 dos últimos 18 jogos contra o rival desde 1977. "Vencer será muito importante porque poderemos abrir uma importante vantagem na classificação. Os jogadores sabem disso", comentou Bradley.

A principal ausência será o goleiro Tim Howard, que cumprirá um jogo de suspensão por acumular cartões amarelos. Ele será substituído pela jovem promessa Grad Guzan, que defende o Aston Villa no Inglês. Por outro lado, o artilheiro Landon Donovan estará em campo. O jogo ocorre às 22 horas de Brasília.

Já El Salvador superou na semana passada uma greve de jogadores, que reivindicavam o pagamento de um prêmio. A equipe está com um ponto.

Completando a rodada, Trinidad e Tobago e Honduras jogam em Port of Spain, casa do primeiro. As duas equipes têm treinadores colombianos no cargo: Francisco Maturana, dos donos da casa, e Reinaldo Rueda, da equipe visitante.

Maturana não poderá contar com o atacante Dwight Yorke, expulso na estreia da seleção, além do goleiro Clayton Ince e do meio-campo Chris Birchall, punidos por acumulação de cartões amarelos. Os trinitenses, que foram à última Copa do Mundo, estão com um ponto.

Já Rueda - que completa dois anos como técnico de Honduras - não terá o atacante David Suazo, do Benfica de Portugal, para se recuperar da derrota para a Costa Rica. As equipes se enfrentam às 20h de Brasília.

A terceira rodada do hexagonal final será no dia 1.º de abril.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.