EUA pedem extradição do paraguaio Nicolás Leoz por escândalo da Fifa

Os Estados Unidos enviaram ao Paraguai um pedido de extradição do ex-presidente da Confederação Sul-Americana de Futebol Nicolás Leoz, um dos dirigentes envolvidos no escândalo de suborno da Fifa, disse à Reuters nesta quinta-feira o Ministério das Relações Exteriores paraguaio.

REUTERS

23 de julho de 2015 | 18h02

Leoz, que dirigiu a poderosa Conmebol por 27 anos e foi membro do comitê executivo da Fifa por mais de uma década, é um dos principais acusados na investigação da Justiça norte-americana sobre a entidade que controla o futebol mundial.

O dirigente de 86 anos está preso em sua casa luxuosa em Assunção cumprindo prisão domiciliar, embora com saídas esporádicas para tratamentos dentários e fisioterapia.

"Recebemos documentação da embaixada dos EUA e a enviamos à Suprema Corte de Justiça", disse à Reuters Juana Núñez, responsável pela cooperação jurídica da Direção de Assuntos Jurídicos da Chancelaria.

O Ministério das Relações Exteriores do Paraguai disse que Leoz, que foi durante décadas um dos dirigentes mais influentes do futebol sul-americano, é buscado pelos EUA para responder a acusações de lavagem de dinheiro, fraude e crime organizado.

(Reportagem de Daniela DeSantis)

Tudo o que sabemos sobre:
FUTFIFALEOZEXTRADICAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.