EUA prometem empenho e lembram de 'ajuda' ao México

Um dos assuntos mais comentados entre torcedores dos Estados Unidos e da Alemanha é a possibilidade de as duas seleções se classificarem sem grandes esforços para as oitavas de final da Copa do Mundo. Para que isso aconteça, basta que o jogo entre as duas seleções, nesta quinta-feira, na Arena Pernambuco, em Recife, termine empatado. Assim, os dois times chegarão aos cinco pontos e não poderão ser alcançados por Gana e Portugal, que jogam também a partir das 13 horas desta quinta, no Estádio Mané Garrincha, em Brasília, no outro jogo da rodada final do Grupo G.

DANIEL BATISTA - Enviado especial a Recife, O Estado de S. Paulo

25 de junho de 2014 | 15h08

Mas os norte-americanos garantem que vão entrar em campo focados na vitória e usam como exemplo de honestidade a partida no qual fizeram com que o rival México se mantivesse na briga para disputar a Copa no Brasil. "Não acho que isso (combinar resultado) faça parte da nossa natureza. Todos nós queremos ganhar, como aconteceu nas Eliminatórias, contra o Panamá, e graças a aquele resultado o México passou para a Copa", lembrou o lateral-direito Fabian Johnson. 

A histórica partida aconteceu no dia 15 de outubro do ano passado, quando os Estados Unidos enfrentaram o Panamá pela última rodada do hexagonal final das Eliminatórias da Concacaf. Até aos 41 minutos do segundo tempo, a seleção panamenha ganhava por 2 a 1 e, com aquele resultado, ela estava indo para a repescagem da Copa e o México estava fora do Mundial. Mas, com dois gols relâmpagos, marcados por Aron Johannsson, os norte-americanos viraram o placar e fizeram com que o México depois pudesse conseguir a vaga. Na repescagem, o time mexicano passou pela Nova Zelândia.

O meia Kyle Beckerman também nega qualquer possibilidade de "corpo mole" diante dos alemães. "Isso é Copa do Mundo. Queremos ter a maior quantidade de vitórias possíveis. Esse será o maior jogo de nossas vidas. Por isso, temos que dar o máximo possível", disse o capitão da equipe norte-americana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.