Maek Lenninhan/AP
Maek Lenninhan/AP

EUA pedem ajuda do Brasil em investigação de corrupção no futebol

Escolha do Brasil como sede da Copa não está sendo investigada

ALTAMIRO SILVA JÚNIOR, O Estado de S. Paulo

27 de maio de 2015 | 13h30

A Justiça dos Estados Unidos vai pedir colaboração de autoridades brasileiras nas investigações de corrupção no futebol, afirmou o Procurador-Geral de Nova York, Kelly Currie, em uma disputada coletiva de imprensa na Corte do Brooklyn nesta quarta-feira para comentar a prisão de dirigentes da Fifa, entre eles José Maria Marin, ex-presidente da CBF. Na entrevista, ele afirmou ainda que os Estados Unidos já tiveram a ajuda de outros países e vai procurar mais cooperação internacional, citando que o processo está apenas começando.

Currie afirmou que a escolha do Brasil como sede da Copa do Mundo em 2014 não está sendo investigada. "Nenhuma conduta relacionada ao processo de escolha de 2014 faz parte deste processo", disse o procurador na coletiva. Ele citou que o que faz parte das investigações é a escolha da África do Sul como país sede da Copa de 2010.

"As investigações não acabam aqui, estão apenas começando", afirmou na abertura da coletiva a Procuradora-Geral dos Estados Unidos, Loretta Lynch, que antes de ser escolhida pelo presidente Barack Obama para o cargo trabalhou na Corte do Brooklyn, onde foi arquivado o processo. O objetivo é pôr um fim na corrupção no futebol, disse ela. Para o caso de extorsão, Loretta ressaltou que a pena máxima pode chegar a 20 anos de prisão.

Questionados sobre se a empresa de material esportivo Nike faz parte das investigações, Currie disse que não iria comentar. No processo, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) é acusada por envolvimento em casos de suborno no contrato de patrocínio com uma "grande marca esportiva norte-americana". O procurador também afirmou que não comentaria de nomes que não são citados no processo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.