Eurico: ?CPI não vai dar em nada?

O presidente do Vasco e deputado federal Eurico Miranda (PPB-RJ) voltou a atacar os membros da CPI do Futebol, que apura irregularidades no futebol brasileiro. O dirigente disse estar tranqüilo quanto à investigação sobre sua vida fiscal nos Estados Unidos e acusou os integrantes da comissão de não possuírem nenhuma prova contra ele. "Estão investigando as pessoas erradas; isso não vai dar em nada. Deveriam investigar aqueles que fizeram acordo com eles", disse, sem citar nomes. Eurico voltou a negar que possui bens nos Estados Unidos, além de afirmar que não vai fazer nada para impedir a devassa em sua vida fiscal no exterior. O dirigente ainda provocou os membros da CPI ao enfatizar a preferência dos senadores por um "palco". Para o deputado, se os parlamentares estivessem interessados em saber a verdade, "e não em aparecer", visitariam o Banco Central e constatariam todas as transações realizadas por ele e pelo Vasco. Sobre o depoimento do contador do Vasco, Vanderlei Guilherme Doring, à CPI, na terça-feira, Eurico ironizou-o dizendo se tratar de um assunto "de economia doméstica". Segundo o deputado, os senadores estão interferindo em assuntos de ingerência interna, que deveriam ser discutidos somente pelos conselheiros do clube - todos do grupo de Eurico. As irregularidades na contabilidade vascaína ficaram evidenciadas depois que Doring se contradisse em seu depoimento. O contador também está envolvido em denúncias de crime de sonegação fiscal, por não declarar ao fisco o salário de R$ 4,5 mil que recebe do Vasco. A respeito das supostas sonegações de impostos, tanto pelo Vasco quanto por Doring, Eurico negou-as: "Se Doring deve ao fisco, o problema é dele com a Receita e não dos senadores." A CPI do Futebol está investigando também o cheque de US$ 110 mil, endossado por ele e emitido em favor do clube, e o depósito de R$ 2.030 milhões na conta do funcionário Aremithas Lima. Amadores - De acordo com Eurico, o clube passa por sérias dificuldades financeiras. A possibilidade de um novo contrato de parceira não foi descartada. Ele afirmou que os salários dos funcionários do clube, com exceção dos atletas, estão sendo pagos. O dirigente deixou claro que o projeto olímpico do Vasco não será desmantelado. "Seria muito fácil mandar três mil atletas para a rua. Não é a minha intenção."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.