Paulo Fernandes/ Vasco.com.br
Paulo Fernandes/ Vasco.com.br

Eurico diz que não responde mais pelo Vasco e jogos do time vivem indefinição

"Eles que se resolvam. Não tenho responsabilidade nenhuma daqui para frente"

Marcio Dolzan, Estadão Conteúdo

17 Janeiro 2018 | 15h38

A era Eurico Miranda no Vasco está chegando ao fim. O mandato do cartola se encerrou nesta terça-feira e o dirigente anunciou que não tomará mais nenhuma medida até sexta-feira, quando haverá a eleição no Conselho Deliberativo que deverá elevar o oposicionista Julio Brant à presidência do clube. Com derrota iminente no pleito, Eurico garantiu que não irá concorrer à reeleição.

+ Erazo garante estar pronto para estrear pelo Vasco nesta quinta

"Sobre a reunião do Conselho, todas as medidas foram tomadas. E eu não sou candidato. Não serei candidato, quero deixar isso claro. Eles que se resolvam. Não tenho responsabilidade nenhuma daqui para frente. A responsabilidade é da magistrada", declarou Eurico nesta quarta-feira, fazendo referência a uma recente decisão judicial que determinou que o clube seja gerido momentaneamente por um "triunvirato".

Isso aconteceu porque o comando do Vasco vive um hiato. Oficialmente, o mandato de Eurico Miranda se encerrou e o novo presidente só assume na próxima semana. Na terça, a juíza Maria Cecília Pinto Gonçalves, da 52ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, determinou que Eurico Miranda e os oposicionistas Julio Brant e Fernando Horta - cujas chapas disputaram o último pleito - administrem o clube até que o novo presidente tome posse. Mas Eurico garantiu que não fará isso.

"Não faço parte desse jogo", disse o cartola nesta quarta. "Brant entrou com documento na secretaria (do clube) dizendo que não foi intimado e que não tem responsabilidade, que a responsabilidade é minha. Não vou assumir responsabilidade por três. Não será minha, só assumo quando é minha."

Com isso, existe o risco até mesmo de a estreia do time no Campeonato Carioca, diante do Bangu, não acontecer nesta quinta-feira, em São Januário. "Temos um jogo, e eu não seria responsável. Existe uma série de medidas que precisam ser tomadas, ingressos, bilheteiros, segurança. Precisa ter responsável", afirmou Eurico. "O jogo dificilmente será realizado."

Outro problema pode ser a viagem do time ao Chile para a disputa da fase preliminar da Copa Libertadores. O Vasco encara o Universidad de Concepción no próximo dia 31. "Tenho uma viagem para o Chile, e as passagens precisam ser pagas. Hoje (quarta) era o último dia. Eles que paguem. Não vou me reunir com ninguém. Pode ser até sobre a compra de um saco de gelo que eu não tomo medida", disparou Eurico.

Mais conteúdo sobre:
futebol Vasco Eurico Miranda

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.