Eurico Miranda faz ameaças e Roberto Dinamite vai à polícia

Ex-presidente diz que vai 'acabar com a vida política e particular' do maior ídolo vascaíno se o clube cair

Bruno Lousada, O Estado de S. Paulo

21 de outubro de 2008 | 20h12

São Januário virou um caldeirão em ebulição. Além do risco de ver o time do coração rebaixado para a Segunda Divisão do Campeonato Brasileiro, o presidente do Vasco, Roberto Dinamite, enfrenta outra ameaça, dessa vez fora de campo. Ex-mandatário do clube, Eurico Miranda disse, em entrevista à Rádio Bandeirantes, que vai "acabar com a vida política e particular" do maior ídolo cruzmaltino, se a equipe não permanecer na Primeira Divisão. Veja também:  Brasileirão Série A - Classificação Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão Dinamite contra-atacou: vai registrar queixa-crime contra Eurico por ameaça na 10ª Delegacia Policial (Botafogo). Se condenado, de acordo com o Artigo 147 do Código Penal brasileiro, Eurico pode pegar até seis meses de prisão ou pagar multa. "Eurico não aprende mesmo e tem de começar a respeitar a lei", declarou com irritação o vice-presidente Jurídico do Vasco, Luiz Américo Chaves. O advogado participou da reunião convocada por Dinamite para tratar principalmente do polêmico assunto. "Não sou amigo dele e preciso fazer alguma coisa para ter tranqüilidade", desabafou Dinamite, que preside o clube há três meses e diz ter recebido uma "herança maldita". "As pessoas não podem confundir aspecto político e pessoal", emendou, indignado. O ataque de Eurico ocorreu na segunda-feira, durante o programa "Casaca no Rádio", da Rádio Bandeirantes. "Pense muito no que está fazendo com o Vasco, porque você não vai sair impune disso", disse, referindo-se a Dinamite. "Garanto que, nem que seja a última coisa que eu venha a fazer na minha vida, se o Vasco cair para a Segunda Divisão, vou acabar com você, com a sua vida política e particular." Eurico não parou por aí. " Você só merece isso. Estou dizendo isso com todas as letras. Faça o diabo para impedir que o Vasco seja rebaixado", afirmou. "Pode continuar fazendo as suas lambanças, a sua auditoria, mas não deixe o Vasco cair. Se o Vasco for para a Segunda Divisão, vou acabar com você." A relação entre os dois ruiu definitivamente em janeiro de 2002. Na ocasião, Dinamite sentiu-se humilhado em sua "própria casa". Por ordem de Eurico, foi expulso da tribuna de São Januário enquanto assistia, ao lado do filho Rodrigo, ao jogo entre Vasco e Ponte Preta, pelo Torneio Rio-São Paulo. Nunca mais se esqueceu do episódio e, em tom de desabafo, disse que nunca faria isso nem com o pior inimigo. "Não dá para lidar com alguém que só quer seu mal", concluiu Dinamite.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.