Eurico não sai do Vasco tão cedo

O presidente do Vasco, Eurico Miranda, anda sumido dos noticiários esportivos. Ele diz que os anos de experiência mudaram seu comportamento, mas não suas convicções. Não poupa críticas ao presidente do Flamengo, Márcio Braga, que insinuou existir um Caixa 2 em São Januário. Ainda alfinetou a parceria do Corinthians com a MSI. No Brasileiro, o time está em 16.º lugar, com 28 pontos, e perdeu no fim de semana do Fortaleza por 4 a 2, no Ceará. O time vai ser campeão? "Não sei", diz o dirigente. Agência Estado - O senhor deseja se livrar da imagem de brigão? Eurico Miranda - Nunca fui grosseiro! As pessoas fazem uma imagem de que sou mafioso, não é assim. Continuo com os mesmos posicionamentos, respondo direto, nada deixo sem resposta. Mas em alguns casos passei a ignorar... AE - Resolveu não se meter mais em assuntos de outros clubes? Eurico Miranda - Sou constantemente procurado para ajudar. Sou vice do Clube dos 13 e toda minha participação é no sentido de ajudar. Mas deixei de comprar brigas de graça. AE - É por causa do isolamento que diz ter sofrido na CPI do Futebol (iniciada em 2000 para investigar o futebol brasileiro)? Eurico Miranda - Não. Entendo que muitas vezes as pessoas têm medo. AE - E o senhor não tem? Eurico Miranda - Não. Até porque o episódio da CPI tem uma explicação. Ela investigou um período em que eu não era o presidente do Vasco. AE - Concorrerá em 2006? Eurico Miranda - Tem muita coisa minha em tudo que foi feito no Vasco. Fizemos a concentração, a escola dentro do clube, aparelhamos e erguemos tudo com sacrifício. Mas já na eleição passada chamei as pessoas que realmente tinham responsabilidade e disse que, se quisessem assumir, eu nem participaria. Agora, se aparece alguém que não sei se tem responsabilidade, que é o que vem acontecendo na maioria dos clubes, esse cara não entra no Vasco. AE - O Vasco não tem interesse de aumentar o número de sócios? Eurico Miranda - Para quê? Para meia dúzia de cafajestes que querem entrar só por questão política? AE - Mas e o torcedor que deseja se tornar sócio? Eurico Miranda - Vai para o sócio torcedor. E vai receber da mesma maneira um título de sócio proprietário. AE - A parceria com o Bank of America foi um erro? Eurico Miranda - Só conflitamos quando eles acharam que deveriam ter uma participação. Como esse tipo de parceria que tem no Corinthians, não tem nenhuma chance aqui. AE - Mas a torcida está tratando o Kia Joorabchian como ídolo. Eurico Miranda - Tão amando o Kia, é? A torcida ama o Kia enquanto o time vence. Você vai ver quando isso não der certo: vão fazer ele voltar correndo para o Irã. AE - E qual seria o modelo ideal? Eurico Miranda - Para o Brasil é algo que tentei e deu certo. Fiz um negócio que foi bom enquanto durou. Foi o Projeto Olímpico (contratou atletas para competir pelo clube, em 98, com a parceria do Bank of America). O Comitê Olímpico agora é obrigado a pagar aos atletas. Isso vem do Projeto Olímpico, mostrei que tendo boa vontade dá. AE - Por que atletas reclamam que não receberam do Vasco? Eurico Miranda - Essa é que é a pergunta. Quando terminou o projeto, deixaram de receber, depois da Olimpíada (Sydney/2000), quando a gente não tinha mais a parceria. Se tivemos aqui 5 mil atletas, tenho, se tanto, 20 reclamações. AE - O senhor tem se mostrado contra o projeto da Timemania, a loteria do Governo Federal para ajudar os clubes. Por quê? Eurico Miranda - Apoio a Timemania, mas não da maneira como querem. Queriam dar vantagens desde que o clube se transformasse em empresa. Isso para mim é inaceitável. Timemania para mim é um contrato em que estou cedendo a minha marca. Segundo, não quero fazer um negócio em que cedo a marca e alguém diz o que devo fazer com o dinheiro. AE - O presidente do Flamengo, Márcio Braga, afirmou que a não aprovação da Timemania representará a falência. E insinuou que o Vasco não precisa porque tem Caixa 2. Eurico Miranda - Desafio que ele diga isso e cite o Vasco. Se é que ele tem coragem. Clube de futebol não tem a menor possibilidade de ter isso que se chama de Caixa 2. Não tem possibilidade porque tem que ser uma quadrilha numerosa instalada em um clube para poder agir assim. AE - O Vasco vem enfrentando problemas em campo. Ainda pode ser campeão? Eurico Miranda - Não sei. Mas falar em ser campeão comigo é o seguinte: desafio algum dirigente que tenha conquistado tantos títulos quanto eu. Sinal de que tenho competência. AE - O senhor foi deputado federal por dois mandatos consecutivos, 1995 a 2002. Ainda tem alguma pretensão política? Eurico Miranda - Quem sabe?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.