Eurico sobe até na mesa do árbitro

Festa, desabafo, choro e ameaças foi o retrato do vestiário do Vasco, após a vitória deste domingo à tarde sobre o Atlético-PR, por 1 a 0, em São Januário. Um dos mais exaltados era o presidente do clube Eurico Miranda que em uma mistura de fúria e alegria não se intimidou e mandou um recado para o Santos, adversário da última rodada: "falei que tinham que respeitar o Vasco, agora é a vez dos santistas".O presidente do Vasco extravasou sua raiva, contida durante a semana, principalmente, quando foi atacado por proibir os jogadores de falar com os jornalistas. Ao final do confronto, o dirigente invadiu o gramado e subiu na mesa do quarto árbitro para comandar a festa com os torcedores que estavam nas arquibancadas de São Januário.Antes da partida, os dirigentes vascaínos ameaçaram entrar com uma queixa contra o Atlético-PR no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). O vice-presidente Jurídico do Vasco, Paulo Reis, frisou que o atacante Dênis Marques está sendo escalado irregularmente. "A liminar que permitia ele atuar venceu em outubro e não foi renovada. Mesmo se ganharmos vamos denunciá-los", afirmou.Entre os jogadores, o alívio por ter alcançado 54 pontos e matematicamente assegurado uma vaga na Série A do Campeonato Brasileiro em 2005 era evidente. O zagueiro Henrique, autor do gol da vitória, era um dos mais entusiasmados e, sem conter, o choro desabafou."Eles sacanearam a gente a semana toda. Todos ficaram contra nós.Agora está aí, vencemos e provamos que temos capacidade", esbravejou Henrique.O técnico do Vasco, Joel Santana, também não poupou críticas ao adversário. Lembrou que os "atos de menosprezo" praticados pelos jogadores e a torcida do Atlético-PR foram superados pela garra, determinação e raça dos atletas vascaínos."Já havia vencido eles neste campeonato, por 6 a 0, quando treinava o Internacional e ninguém lembrou disso. Só armei um esquema tático baseado nessa formação", falou o técnico do Vasco. "Hoje coroamos um objetivo. Livramos o clube da ameaça de rebaixamento."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.