Ed Ferreira/Estadão
Ed Ferreira/Estadão

Europa continua se reforçando no futebol brasileiro

Clubes da Ucrânia seguem como os maiores compradores

O Estado de S. Paulo

15 de julho de 2013 | 07h30

SÃO PAULO - Enquanto os países sul-americanos se consolidam como uma boa fonte para os clubes brasileiros, o futebol europeu continua se abastecendo de jogadores nacionais. A rotina de transferências se repete nesta temporada e o futebol ucraniano confirma a tendência de ser um voraz comprador.

É claro que a ida de Neymar para o Barcelona, negociação mais esperada dos últimos anos, foi a principal transação deste meio de ano. Mas é a Ucrânia o destino da maioria dos jogadores brasileiros recém-transferidos. O Shakhtar Donetsk, por exemplo, levou de uma só tacada o volante Fernando, ex-Grêmio, o meia Fred, revelação do Internacional, e o jovem e atrevido atacante Wellington Nem, que estava no Fluminense.

Outro clube do país do leste europeu, o Metalist, já havia levado o zagueiro Rodrigo Moledo, também do Internacional gaúcho, e acaba de investir  6 milhões para tirar o meia Diego Souza do Cruzeiro. Além disso o argentino Bertoglio, que estava encostado no Grêmio, vai tentar a sorte no Dínamo de Kiev.

O Shakhtar também se interessou por Paulinho. Mas o ex-volante do Corinthians achou melhor fechar com o Tottenham, numa rara investida bem-sucedida do futebol inglês sobre o brasileiro nesta fase de abertura de mercado.

O futebol italiano mostrou-se mais efetivo. Do Santos, tirou dois jogadores: o goleiro Rafael, transferido para o Napoli, e o meia Felipe Anderson, que vai jogar na Lazio. E a Udinese buscou a revelação Jadson, um volante, no Botafogo. O futebol francês também veio às compras no Brasil. O Olympique de Marselha contratou o zagueiro Paulo Miranda, ex-São Paulo.

Ao contrário da Ucrânia, o Oriente Médio está mais comedido nesta janela. Mas também fez negócios com brasileiros. Thiago Neves deixa o Fluminense para jogar no Al-Hilal, da Arábia Saudita, e Fellype Gabriel trocou o Botafogo pelo Sharjah, dos Emirados Árabes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.