Europa ?teme? Brasil fora da copa

"O Brasil vai mal e a seleção treme , depois da derrota em Montevidéu", este é o título da edição desta segunda-feira do jornal esportivo francês "L Equipe ". Os europeus começam a admitir a possibilidade dos brasileiros, pela primeira vez na história, ficarem fora da Copa. Apesar do resultados negativos da equipe nacional até agora, poucos eram os que acreditavam em tal decepção, mas depois da derrota de domingo, transmitido para a Europa por uma emissora de tevê a cabo, técnicos e especialistas já começam a admitir essa hipótese com certa tristeza.Entre eles, o antigo jogador Michel Platini que ouvido nesta segunda-feira pela Agência Estado sobre uma eventual ausência do Brasil da Copa de 2002, respondeu com um curto comentário : "Historicamente esse seria um acontecimento muito infeliz para o futebol mundial ".O chamado "Pelé branco", entretanto, acredita que o Brasil ainda tem recursos técnicos suficientes para superar as dificuldades atuais e vencer seus próximos adversários, garantindo uma vaga na competição da Coréia e Japão. O atual diretor esportivo da Fifa e vice presidente da Federação Francesa de Futebol, acrescentou que viu muito pouca coisa no futebol apresentado pela seleção brasileira contra o Uruguai , apesar da participação dos jogadores da chamada legião estrangeira como Cafu, Roberto Carlos, Rivaldo, além da volta do célebre Romário.Para o jornal esportivo francês "L Equipe", "a operação Scolari fracassou", pois nem o novo treinador nem a volta das estrelas à equipe nacional permitiram ao Brasil escapar dos " demônios uruguaios". Ao Brasil, agora, só resta sonhar com o retorno de Ronaldo, já na próxima partida contra o Paraguai, afirmou o jornal "Gazzetta dello Sport", comentando mais essa derrota. O principal jornal esportivo italiano, editado em Milão, lembrou que o atacante brasileiro do Inter , em fase de recuperação física, se encontrava no Estádio Centenário assistindo a partida de seus companheiros e prometeu ajudar o novo técnico Luis Felipe Scolari a classificar a seleção. O articulista concluí com o comentário: " Como o navio está afundando há necessidade de se agarrar a tudo, inclusive a um sonho".Numa análise mais realista , os comentaristas europeus responsabilizam por essa situação crítica a própria organização do futebol brasileiro, inteiramente arcaica e superada, além de desconectada da realidade mundial. Não se trata da qualidade de seus jogadores e técnicos. Jogadores como Rivaldo, Cafú , Roberto Carlos acabaram de efetuar excelentes prestações em seus clubes europeus, mas na seleção a ausência de clima prejudica o conjunto. Desde a Copa da França, onde os desacertos foram grandes, já era latente o clima de crise que se aprofundou ainda mais nesses quatro anos, pois nenhuma providência foi adotada por seus dirigentes.?Eles se contentaram em substituir os técnicos quando não têm resultados imediatos, como se fossem os únicos fusíveis a queimar. Sem uma reestruturação profunda no futebol brasileiro, uma melhor organização interna e coordenação com as competições externas, entre clubes ou equipes nacionais, dificilmente os brasileiros vão conseguir repetir o passado, obtendo novos e brilhantes resultados a curto prazo.?, dizem.Há um certo alívio e uma certa decepção quando se ouve tais comentários na boca de um europeu. Alívio dos que já não vêem no Brasil o grande adversário a temer e decepção dos que sabem que uma copa eventualmente sem a presença brasileira não será a mesma coisa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.