Europa terá maratona de amistosos

O Mundial terminou há menos de dois meses (30 de junho) e metade das seleções que estiveram na festa na Ásia volta a campo nesta quarta-feira. Para aproveitar uma das datas reservadas pela Fifa para testes internacionais, 16 seleções que foram à Coréia e ao Japão fazem ajustes para a nova temporada. A maioria é da Europa, que tem a partir de setembro as eliminatórias para o torneio continental de 2004. No total, estão previstos 28 partidas, em que não faltam novidades, principalmente no comando técnico. A França está de cara nova. Depois do fiasco na defesa do título conquistado em 98, o técnico Roger Lemerre se demitiu e foi substituído por Jacques Santini. Na primeira convocação, sucessor resolveu dar chance para Mexés, Réveillère, Cheyrou e Govou no duelo com a Tunísia, em Túnis. Eles se juntam a veteranos de outras batalhas, na tentativa de reconduzir os ?bleus? ao topo do futebol. A Espanha também mudou - saiu Antonio Camacho e assumiu Iñaki Sáez. Embora esteja na condição de interino, o técnico quer mostrar serviço diante da Hungria, em Budapeste, e chamou vários novatos. Ao mesmo tempo, não poderá contar com Helguera, do Real Madrid, que fica fora por contusão no joelho. A Itália manteve Giovanni Trapattoni no comando - e sem grandes alterações no conjunto que foi eliminado pela Coréia do Sul, nas quartas-de-final. O centroavante Vieri e o meia Totti estão fora de combate, para enfrentar a Eslovênia, em Trieste. Mas a base está mantida, com o goleiro Toldo, os zagueiros Panucci, Nesta, Cannavaro, o volante Tommasi, os atacantes Del Piero e Filippo Inzaghi. A Alemanha, vice-campeã do mundo pela quarta vez, continua a aposta no trabalho de Rudi Voeller. O treinador mandará a campo, contra a Bulgária, uma equipe alterada, em comparação com aquela que perdeu para o Brasil por 2 a 0, na final em Yokohama. Kahn, Boehme, Neuville, Frings, Hamann estão no ?estaleiro?. Em compensação, serão observados o goleiro Butt, além de Borowsky e Ernst, no jogo em Sófia. A Polônia agora está entregue a Zbignew Boniek, seu maior craque nos anos 80. Ele promete começar, já no amistoso com a Bélgica, a reformular o time. A Turquia, que surpreendeu ao terminar em terceiro lugar, recebe a Geórgia, sem alterações significativas em relação à campanha histórica na Copa de 2002. A Holanda reaparece, depois de ter fracassado na tentativa de ir ao Mundial. A prova será contra a Noruega, em Oslo. Além de Brasil e Paraguai, os outros sul-americanos que jogam são Venezuela e Bolívia, que se encontram em Caracas, a partir das 22 horas, de Brasília.

Agencia Estado,

20 Agosto 2002 | 17h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.