Gustau Nacarino/ Reuters
Autor dos dois gols, Neymar ajudou o Barcelona a eliminar o Paris Saint-Germain e confirmar presença nas semifinais da Liga dos Campeões da Europa Gustau Nacarino/ Reuters

Europeus buscam título da Liga com trajetórias distintas

Barcelona enfrenta Bayern de Munique, já Juventus encara Real Madrid

O Estado de S. Paulo

24 de abril de 2015 | 07h30

Com campanhas distintas na competição, Barcelona, Bayern de Munique, Juventus e Real Madrid garantiram as quatro vagas para  a semifinal da Liga dos Campeões. O time de Neymar, Messi e Suárez abrirá o confronto no Camp Nou diante da equipe alemã, comandada por Pep Guardiola, seu ex-técnico. Já os italianos terão o time de Cristiano Ronaldo pela frente e decidirão a vaga no Santiago Bernabéu, em Madri. 

As semifinais da Liga dos Campeões vão ocorrer nos dias 5 e 6 e 12 e 13 de maio, enquanto a final da competição será no dia 6 de junho, no Estádio Olímpico de Berlim, na Alemanha. As quatro equipes se preparam agora para mostrar ao mundo quais serão os finalistas do principal torneio do continente europeu. 

BARCELONA

Semifinalista entre 2008 e 2013 e bicampeão continental no período, o Barcelona garantiu a vaga sem dificuldades na competição. A grande vitória em Paris, com gols de Suárez e Neymar, apenas facilitou o caminho para a semifinal do torneio que teve nova vitória do Barça, desta vez no Camp Nou, com dois gols de Neymar.

As vitórias foram semelhantes as que foram conquistadas nas oitavas de final, quando o Barça derrotou o Manchester City dentro e fora de casa para garantir a classificação. Suárez, duas vezes na ida, e Rakitic, na volta, marcaram os gols das vitórias da equipe catalã.

Com nove vitórias em dez jogos no torneio, o Barcelona saiu de campo apenas uma vez com um placar negativo. A derrota foi justamente para uma das vítimas na fase final, o Paris Saint-Germain. A derrota por 3 a 2 para a equipe parisiense ocorreu durante uma crise entre o técnico Luis Enrique e as principais estrelas do elenco: Messi e Neymar.

BAYERN DE MUNIQUE

Já o Bayern de Munique vem repetindo as grandes atuações que renderam o último título da equipe alemã na competição, em 2013. Apenas na primeira fase da competição foram 16 gols marcados e o melhor ataque da competição, aliada a uma sonora goleada na Roma por 7 a 1, dentro do Estádio Olímpico.

Nas fases finais, mais goleadas. Contra o Shakhtar Donetsk, pelas oitavas de final da competição, um empate na Ucrânia e um placar de 7 a 0 na partida de volta na Alemanha. Pelas quartas de final, vitória por 3 a 1 do Porto e uma derrota dolorosa por 6 a 1, com mais uma grande classificação dos bávaros para a semifinal do torneio.

REAL MADRID

Atual campeão do torneio, o Real Madrid foi a última equipe a garantir a vaga na semifinal. Na reedição da última final da Liga dos Campeões, Chicharito foi o responsável por marcar o gol que levou a equipe à próxima fase do torneio. Dificuldade sofrida na fase anterior da competição, quando o Real Madrid sofreu para eliminar o Schalke 04 com placar agregado de 5 a 4, conquistado a duras penas.

O mesmo sofrimento não foi visto na fase de grupos. Líder isolado, a equipe de Carlo Ancelotti venceu todos os jogos da primeira fase, garantindo a classificação sem dificuldades.

JUVENTUS

Maior 'zebra' da fase semifinal, a Juventus coloca a Itália novamente entre os quatro semifinalistas do torneio. A última vez que uma equipe italiana alcançou esta fase, acabou campeã, quando Mourinho fez o impossível com o limitado elenco da Inter de Mião e conquistou o torneio europeu em 2010.

A 'Velha Senhora' não teve vida fácil até aqui na competição. Com a pior campanha entre os quatro semifinalistas, a Juve sofreu para eliminar o Monaco, com um placar mínimo conquistado na partida de ida. Apesar da facilidade ao derrotar a desmontada equipe do Borussia Dortmund nas oitavas de final, a classificação na fase de grupos foi selada apenas na última rodada.

Na primeira temporada de Massimiliano Allegri como treinador da equipe alvinegra, a equipe retornou à uma fase semifinal de Liga dos Campeões após 12 anos. Mas, duas derrotas, na fase de grupos, quase botaram fim ao sonho do título italiano. A classificação, na segunda colocação do grupo, foi conquistada apenas com um empate em 0 a 0, contra o Atlético de Madrid, na última rodada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Barcelona é o favorito ao título nas casas de apostas

Principais casas pagam 2,76 euros por aposta para catalães

O Estado de S. Paulo

24 de abril de 2015 | 07h00

Barcelona, Real Madrid, Bayern de Munique e Juventus se classificaram para as semifinais da Liga dos Campeões da Europa e as casas de apostas já definiram o favorito para o título. Para cada euro apostado na equipe de Messi e Neymar, as casas de apostas pagam 2,76 euros.

Na sequência aparecem os alemães do Bayern de Munique com pagamento de 2,77 para cada euro apostado. Atual campeão da Liga dos Campeões, o Real Madrid sofreu para se classificar para a semifinal do torneio, ao marcar o gol da vitória somente aos 43 minutos do segundo tempo, com Chicarito, e é apenas o terceiro na lista. Caso seja campeão, cada aposta pagará 4,09 euros aos torcedores.

Mesmo com o tetracampeonato italiano bem próximo, a Juventus é considerada a 'zebra' entre os quatro finalistas do torneio europeu. Campeã da Liga dos Campeões pela última vez em 1996, a 'Velha Senhora' aparece em último lugar nas casas de apostas, com o maior pagamento. Para cada euro, as casas pagam 8,80 euros.

As consultas foram realizadas nas principais casas de apostas da Europa: Bet365, Bwin, Sportium, 888sport e WillamHill. No Brasil, a atividade é considerada ilícita.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Espanhóis e italianos fazem duelo de técnicos na semifinal

Guardiola e Ancelotti levam vantagem sobre Allegri e Luis Enrique

O Estado de S. Paulo

24 de abril de 2015 | 07h30

Ser um bom jogador pode facilitar no momento de fazer a transição para o comando técnico. Pelo menos é isso que mostra o raio x dos técnicos que comandam os quatro semifinalistas da Liga dos Campeões. Nomes de destaque quando atuavam, Carlo Ancelotti e Pep Guardiola também repetem o sucesso fora das quatro linhas. Já Massimiliano Allegri e Luis Enrique buscam seu primeiro título na competição, algo que não aconteceu quando jogavam profissionalmente.

Em grande fase no Bayern de Munique, Pep Guardiola começou sua carreira no futebol como atleta do Barcelona B, em 1990. Foi promovido ao time principal por Johan Cruyff e já no segundo ano se tornou campeão da principal competição europeia. Como treinador, inovou com o tiki-taka, estilo de jogo que prioriza a posse de bola para controlar o jogo e acuar os adversários. Em quatro anos, foram 13 títulos à frente da equipe catalã, entre eles duas Ligas dos Campeões e dois Mundiais.

Carlo Ancelotti também tem uma grande carreira dentro dos gramados. Companheiro de Falcão na conquista do título italiano da Roma, em 1983, o meio-campista foi bicampeão da Taça dos Campeões, antigo nome do torneio no continente europeu, em 1989 e 1990. Indo contra a escola italiana de futebol, Ancelotti é marcado como um treinador que faz sua equipes jogarem para frente. No Milan, ganhou duas Ligas dos Campeões na área técnica antes de se aventurar na Inglaterra e na França. Assumiu o comando do Real Madrid na última temporada para levantar mais uma vez a taça da cobiçada competição europeia.

Campeão olímpico pela Espanha e companheiro de Pep Guardiola como jogador do Barcelona, Luis Enrique ainda dá seus primeiros passos como treinador. Depois de começar na equipe B do Barça, recebeu a oportunidade de comandar a Roma, mas não teve muito sucesso. De volta à Espanha, passou pelo Celta antes de assumir sua equipe do coração. Ainda tentando encontrar um estilo próprio de jogo, o treinador já se envolveu em confusões com as duas principais estrelas da equipe atual: Messi e Neymar.

Modesto em sua carreira de 19 temporadas dentro de campo, Massimiliano Allegri apareceu no cenário mundial ao conquistar o Campeonato Italiano com o Milan, em 2011. Depois de duas temporadas fracas, acabou sendo dispensado. O que poderia ser uma coisa ruim tornou-se algo positivo. Allegri era o nome de maior peso disponível no mercado quando Antonio Conte deixou a Juventus e acabou sendo escolhido para assumir o cargo. Amante do futebol italiano tradicional, o treinador aposta suas fichas em um bom sistema defensivo. Nesta temporada lidera o italiano com 15 pontos de vantagem sobre Lazio e Roma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.