Ruben Sprich/Reuters
Ruben Sprich/Reuters

Europeus pedem adiamento de eleição para presidente na Fifa

Suspeita-se que Blatter tenha falsificado balanço financeiro 

JAMIL CHADE / CORRESPONDENTE GENEBRA, O Estado de S.Paulo

09 de outubro de 2015 | 13h24

Pressionada por cartolas europeus, a Fifa estuda adiar suas eleições, marcadas inicialmente para 26 de fevereiro. Uma reunião de emergência marcada para o dia 20 de outubro vai decidir o futuro do processo eleitoral e uma das ideias é de que ela ocorra em maio, durante o Congresso Anual da Fifa no México. 

Sem governo e sem os principais candidatos, a entidade máxima do futebol vive um caos. Joseph Blatter e Michel Platini, afastados temporariamente, podem ser punidos com uma suspensão do futebol de mais cinco anos. O Estado apurou com exclusividade que a principal suspeita que recai sobre ambos é a de falsificação do balanço financeiro da Fifa, um crime que poderia resultar até mesmo em prisão.

Na quinta-feira, o Comitê de Ética da Fifa anunciou a suspensão por 90 dias de Blatter e Platini, além de outros dois dirigentes. Se a decisão abrevia o fim da presidência do suíço, o maior impacto é para Platini, que concorre para comandar a Fifa. 

Ambos são suspeitos em um caso de pagamento de US$ 2 milhões (R$ 7,5 milhões) entre Blatter e Platini, em 2011. O francês insiste que o dinheiro era um salário atrasado, por serviços prestados nove anos antes. 

Teoricamente, ele poderia ainda manter sua candidatura. Mas corre o risco de ser definitivamente banido antes de fevereiro, o que deixaria a Europa sem candidato. 

Fontes dentro da Fifa confirmaram ao Estado que, mesmo que sua versão de pagamento de salário atrasado for verdadeira, ela implica uma falsificação dos balanços financeiros da entidade, já que apenas Platini e Blatter sabiam do pagamento e que jamais foi computado nas contas da entidade. Platini, como vice-presidente da Fifa, também seria responsabilizado.  

Diante do risco, a Uefa pressiona para o adiamento das eleições, seja para salvar a candidatura de Platini ou pelo menos para buscar um candidato alternativo. Uma reunião deve ocorrer no dia 20 de outubro em Zurique para bater o martelo sobre um adiamento.

Fontes que fizeram parte do processo de suspensão dos dirigentes contaram ao Estado que o afastamento de Blatter foi cuidadosamente preparado. Na quarta-feira, os membros do Comitê de Ética já falaram com o presidente interino, Issa Hayatou, alertando que ele assumiria as funções. Blatter também já iniciou a formular sua defesa e, por isso, horas depois da suspensão, seus advogados apresentaram um recurso.

Um de seus principais aliados declarou para a imprensa inglesa que Blatter espera estar de volta em dez dias. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.