Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Everton está pronto para a Europa, dizem companheiros da seleção

Destaque da seleção brasileira na goleada sobre o Peru, Everton desperta interesses de City e United

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

23 de junho de 2019 | 11h00

Uma das novidades na escalação do técnico Tite na goleada sobre o Peru, por 5 a 0, neste sábado, o atacante Everton saiu da Arena Corinthians como o melhor em campo. “Saio feliz não só pelo gol, mas também pelo grande apoio da torcida e pela ótima partida da equipe”, disse o atacante do Grêmio que marcou um gol e foi responsável por várias jogadas de ataque. 

O autor do terceiro gol da seleção brasileira ganhou elogios dos companheiros de seleção. “É o cara que abre a marcação, que encara. Então, quem sai ganhando somos nós jogadores que jogam perto dele”, afirmou Filipe Luís. “É um jogador que está pronto para jogar na Europa”, completou o lateral do Atlético de Madrid.

A multa de Everton é 60 milhões de euros (R$ 288 milhões) – o Grêmio detém 60% dos seus direitos federativos. Seu contrato vai até 2022. Os rivais de Manchester (United e City) já fizeram sondagens pelo jogador de 23 anos. O PSG também estaria interessado.

“Ele está jogando muito, jogando demais. Acho que merece toda essa exaltação. Ele entrou bem contra a Bolívia, no jogo passado também, hoje foi o melhor em campo. Estou feliz por ele. A seleção precisa disso, um grupo forte, não só os 11 jogadores, mas sim quem entrar para dar sempre o melhor e fazer a diferença”, disse Willian, autor do quinto gol.

Everton explicou a estratégia para superar o marcador Advincula, experiente jogador peruano. “Eu sabia que ia ser difícil. Ele é um jogador forte e rápido. Então, tentei levar vantagem no drible, principalmente dribles curtos. Em alguns momentos, eu levei vantagem e fiquei feliz por ter contribuído com a seleção”, disse Cebolinha. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.