Ewerthon faz elogios ao Corinthians

O atacante Éwerthon garante que o Corinthians deixou de ser "saco de pancadas" e de ser alvo de brincadeiras dos adversários. Cansado de ouvir provocações de outros times ou de gozações até dos companheiros da seleção sub-20, na época do Campeonato Sul Americano da categoria, disputado em janeiro na Argentina, o atacante diz que o time do Parque São Jorge está novamente impondo respeito em campo. "Agora, a gente começa a partida e o adversário já não vem para cima como era no segundo semestre do ano passado, naquela fase em que o time só perdia", diz Éwerthon, um dos destaques do Corinthians nesta fase da redenção da equipe. "O pessoal na seleção vivia me provocando dizendo que o time não ganhava mais de ninguém. Eu ficava chateado e dizia que de uma hora para outra a situação iria mudar, era só o que eu podia falar, porque a situação não era boa." Éwerton recorda que a fase pior foi sob o comando do técnico Candinho. Ele quase não jogou nos tempos em que o time, antes de Candinho, era dirigido por Oswaldo Alvarez. Mas com o técnico Wanderley Luxemburgo a situação está mudada. Com três vitórias consecutivas no Paulista o Corinthians volta a sonhar com a classificação na competição. "Mas não quero ficar falando sobre isso", diz o atacante, seguindo a cartilha de Luxemburgo, que prefere aguardar o desenrolar da luta pelas quatro vagas. "Temos de ganhar todas para ver o que acontece. É difícil mas não é impossível", ressalta Ewerthon. Luxemburgo não comandou o treino de hoje à tarde no Parque São Jorge porque teve de comparecer à Justiça no Rio para uma audiência com a presença da ex-secretária Renata Alves. O seu auxiliar, Heron Ferreira, foi quem dirigiu o treino, que acabou sob a luz dos refletores do estádio. Amanhã pela manhã Luxemburgo já deverá começar a montar o time para o jogo de sábado contra o União Barbarense, em Santa Bárbara D?Oeste. RINCÓN - O empresário Francisco Monteiro, o Todé, disse hoje que a possibilidade de contratação de Rincón pelo Corinthians não existe mais. Não houve acordo entre a Hicks Muse, patrocinadora do clube e o atleta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.