Jorge Adorno/Reuters
Jorge Adorno/Reuters

Ex-auxiliar do Barcelona tenta surpreender o Palmeiras na Libertadores

Argentino Jorge Pautasso dirige o Melgar, do Peru, após trabalhar por anos junto com Gerardo Martino

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

12 de março de 2019 | 04h30

O técnico Jorge Pautasso, do Melgar, adversário do Palmeiras nesta terça, até pouco tempo atrás distribuía os coletes nos treinos para Messi, orientava o posicionamento de Neymar e conversava com Iniesta. O argentino de 57 anos construiu uma longa carreira como auxiliar, inclusive com passagem pelo Barcelona, até neste ano deixar de ser o braço direito de outros treinadores para ele próprio assumir o cargo de comandante.

Pautasso construiu uma sólida carreira de auxiliar graças à parceria com o amigo Gerardo "Tata" Martino. Os dois são amigos há muito tempo e jogaram juntos no Newell’s Old Boys, onde foram campeões argentinos. Em 1998 eles decidiram formam uma dupla e durante 18 anos trabalharam juntos em clubes, assim como nas seleções do Paraguai e da Argentina, além do Barcelona, na temporada 2013-14. Um dos resultados mais expressivos da dupla foi ter conseguido levar o Paraguai às quartas de final da Copa de 2010.

O atual treinador do Melgar decidiu seguir carreira longe do amigo em 2016, ao saírem da seleção argentina depois no vice na Cópa América Centenário. Pautasso teve no ano seguinte um outro trabalho como auxiliar, no Deportivo Cali, da Colômbia, até no fim do ano passado aceitar o desafio de estrear como técnico efetivo no Melgar, do Peru.

Martino continuou a carreira depois disso na América do Norte. Primeiramente, dirigiu o Atlanta United, dos Estados Unidos, e neste ano assumiu o comando da seleção mexicana. Em vez de ter Pautasso como braço direito, o técnico escolheu outros dois ex-companheiros dos tempos de jogador do Newell’s.

Pautasso tem sido bem avaliado no Peru, principalmente por ter conseguido fazer a equipe passar pelas duas fases prévias da Libertadores e garantido vaga na fase de grupos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.