Juan Medina/Reuters
Juan Medina/Reuters

Ex-Barcelona é indiciado por lesão corporal e posse ilegal de arma

Ministério Público da Turquia pede entre três e 12 anos de prisão a Arda Turan

EFE

17 Outubro 2018 | 10h28

Um tribunal de Istambul indiciou o meia Arda Turan por lesão corporal, ameaça e posse ilegal de uma arma, crimes pelos quais o Ministério Público da Turquia pede entre três e 12 anos de prisão ao jogador.

 

A acusação considera que o astro local incorreu nos crimes de "assédio sexual", "lesões propositais", "tiros com arma de fogo de um modo que pode produzir medo ou pânico" e "porte de armas sem licença", informou o jornal turco Hürriyet. A primeira audiência do caso foi marcada para o dia 30 de janeiro.

A denúncia contra o jogador parte do cantor Berkay Sahin, que se envolveu em uma briga com o ex-Barcelona em uma famosa boate de Istambul na madrugada da quarta-feira passada, e que foi também acusado de "insultos".

Segundo a imprensa turca, Turan assediou no bar a esposa do cantor, Özlem Ada, o que resultou uma briga na qual o jogador quebrou o nariz do cantor com uma cabeçada.

O casal seguiu para um hospital próximo, mas Turan os seguiu pouco depois e, ao entrar no hospital, disparou um tiro com a sua pistola, sem deixar feridos. O atleta disse à imprensa que seguiu o cantor para pedir desculpas e que o tiro aconteceu de forma acidental.

Na terça-feira, Istanbul Basaksehir, clube que Arda Turan defende desde janeiro, emprestado pelo Barcelona, anunciou que multará o jogador em 2,5 milhões de liras (R$ 1,5 milhão) por "atitudes incompatíveis com os valores do clube", mas o manterá em atividade até a sentença.

OUTROS PROBLEMAS

Arda Turan se envolveu em várias polêmicas recentes. Em maio, foi punido por 16 partidas após empurrar um auxiliar de arbitragem ao reclamar de uma falta. O lance ocorreu dia 8 de maio, pela Super Copa da Turquia, em jogo entre Basaksehir e Sivasspor. 

Em 2017, a estrela da seleção turca decidiu se aposentar da equipe nacional depois de ser suspenso pela federação local. Na época, o jogador agrediu um jornalista durante voo que levava a delegação da Macedônia para a Itália por conta de uma matéria. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.