Ex-cartola diz que Maradona driblava doping

Parece que o futebol italiano não consegue viver sem um escândalo. Nos últimos anos, houve polêmicas envolvendo suspeitas sobre os laboratórios de controle antidoping, casos de jogadores que falsificaram passaportes para conseguir o status de ?comunitários?, balanços falsificados de clubes e suspeitas de corrupção na arbitragem. Nesta quinta-feira, estourou uma nova bomba: Corrado Ferlaino, que foi presidente do Napoli nos tempos de Diego Maradona, deu uma cínica entrevista em que se vangloria de ter cometido vários atos ilícitos que ajudaram o clube a conquistar títulos. Antes de falar sobre sua ação nos bastidores para prejudicar o Milan e ajudar o Napoli a ganhar o campeonato da temporada 89/90, ele contou como o clube agia para evitar que Maradona desse positivo nos exames antidoping. ?Maradona sempre me critica, diz que sou um inimigo, mas a verdade é que o salvei várias vezes. Principalmente na questão do antidoping?, disse ao jornal napolitano Il Mattino. ?Como todos os outros jogadores, Maradona era livre para fazer o que quisesse entre domingo à noite e quarta-feira, mas na quinta deveria estar ?limpo?. Quando havia alguma dúvida sobre seu estado, a comissão técnica usava um truque para salvá-lo nos exames. Um jogador que estivesse são urinava em um vidrinho, que ele levava escondido dentro do calção para a sala de exames. Na hora de ceder o seu material, ele simplesmente virava o vidrinho que tinha levado escondido.? Segundo Ferlaino, Maradona só deu positivo no célebre exame que fez em 91 porque disse à comissão técnica que estava limpo. ?Os viciados mentem para si mesmos?, afirmou. O dirigente contou como foi decidido o campeonato de 89/90, que estava sendo disputado palmo a palmo com o Milan. ?Havia um árbitro muito amigo do Milan, que se chamava Lanesa. O nosso árbitro era Rosario Lo Bello. Num jogo do Milan em Verona, consegui que Lo Bello fosse escalado. O Milan teve jogadores expulsos e perdeu por 2 a 1. No mesmo dia, ganhamos do Bologna por 4 a 2 e praticamente garantimos o título.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.