Reprodução/ Instagram/ Jardel
Reprodução/ Instagram/ Jardel

Ex-centroavante Jardel recupera chuteiras de ouro roubadas em sua casa

Uma das peças já estava em início de processo de desmanche; um suspeito foi preso

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de junho de 2021 | 12h13

O ex-centroavante Jardel, artilheiro do Grêmio nos anos 90, e com uma passagem de muitos gols no futebol português, recorreu às redes sociais para falar que recuperou as chuteiras de ouro, prata e bronze que foram roubadas de sua residência, em Fortaleza. As peças foram encontradas em uma casa no bairro Luciano Cavalcante, na capital cearense.

A polícia civil do Estado do Ceará informou que um suspeito foi preso em flagrante e que um dos troféus (de ouro) já estava em fase inicial de desmanche.

Em entrevista ao Diário do Nordeste, o jogador manifestou seu alívio ao recuperar os prêmios adquiridos ao longo da carreira. “Estou muito grato à polícia e aliviado por poder recuperar as chuteiras. Elas são de um valor sentimental muito grande”, afirmou o ex-artilheiro.

Conhecido em Portugal como Super Mário, Jardel saiu do Ferroviário para o Vasco e, no clube do Rio, despontou para o cenário nacional. Em 95 se transferiu para o Grêmio e foi um dos destaques do time gaúcho na conquista da Libertadores formando o ataque com Paulo Nunes.

Em Portugal, ele manteve a fama de artilheiro e duas de suas chuteiras de ouro foram a serviço de clubes portugueses. A primeira peça dourada veio na temporada 1998/1999, quando marcou 36 gols pelo Porto. Ele repetiu a dose em 2001/2002, mas desta vez com a camisa do Sporting, ao marcar 42 duas vezes.

Após viver uma fase áurea, onde chegou a ser convocado para a seleção brasileira, o jogador viveu o declínio da carreira após envolvimento com drogas. Em seu retorno ao Brasil, rodou por vários clubes de menor expressão e encerrou a carreira em 2011.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolGrêmioJardelMário Jardel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.