Cristina Quicler/AFP
Cristina Quicler/AFP

Ex-diretor do Barça explica e defende a contratação de Douglas

Andoni Zubizarreta afirma ter se surpreendido com a repercussão

Estadão Conteúdo

09 de abril de 2016 | 11h22

Quando o lateral Douglas foi anunciado pelo Barcelona em agosto de 2014, a negociação surpreendeu o mundo do futebol. O então jogador do São Paulo era bastante criticado pela torcida e sequer se firmava como titular do time paulista, quanto mais de um gigante como o Barça. Um dos responsáveis por aquela contratação, o então diretor de futebol da equipe catalã, Andoni Zubizarreta, tentou explicá-la neste sábado.

"Nós não o contratamos com a ideia de que fosse titular. Se levar em conta tudo que aconteceu com o Douglas, surpreende todo o barulho que foi criado sobre o assunto. Nós pensávamos que ele estava no nível do clube. Pelo investimento que representava, dentro dos valores do futebol, valeu a pena", declarou o ex-goleiro em entrevista ao diário catalão ARA.

Douglas custou cerca de 4 milhões de euros aos cofres do Barcelona em 2014. Desde então, atuou em somente oito partidas, sendo a maioria delas vindo do banco. Na atual temporada, foram apenas três jogos. Mesmo com os números e as atuações decepcionantes, Zubizarreta defendeu o jogador das críticas e o tratou como uma aposta.

"A gente não pode compará-lo com Luis Suárez, que é um jogador pronto, ele era uma promessa. Assim como assinamos com o Denis Suárez (atualmente emprestado ao Villarreal), que pode nos dar opções ou não, ou o Halilovic (emprestado ao Sporting Gijón). Eles não foram contratados com a intenção de ganhar a Liga dos Campeões", argumentou.

Zubizarreta ainda considerou que a negociação só é tão visada porque aconteceu em um gigante como o Barcelona. "O Douglas era um jogador para ajudar a construir o elenco, a evoluir. Onde chegaríamos com ele? Agora vamos saber. Mas vejo outros times no mesmo nível do nosso, ou até menor, e este é um debate que acontece somente por aqui", reclamou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.