Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Benoit Tessier/Reuters
Benoit Tessier/Reuters

Ex-dirigente do Barcelona afirma que desvalorização pode facilitar volta de Neymar 

Jornal espanhol diz que clube estaria disposto a negociar três franceses pelo brasileiro

Redação, O Estado de S.Paulo

17 de abril de 2020 | 10h48

Emili Roussaud, ex-vice-presidente do Barcelona, afirma que a desvalorização econômica do futebol, provocada pela pandemia do novo coronavírus (covid-19), pode facilitar a volta de Neymar à Espanha. De acordo com o ex-dirigente, o interesse do Barcelona pelo jogador brasileiro é real e a divisão do pagamento, em parcelas, poderia ser uma solução para baratear o custo da operação.

“É possível um retorno de Neymar, já que o mercado sofrerá uma desvalorização e muitas equipes terão perdas econômicas significativas. O Barça quer um retorno de Neymar. Será necessário analisar se essa operação é possível com a situação financeira do clube. O interesse de Barça nele é real. O clube poderia buscar um pagamento fracionário para tornar a operação mais barata”, explicou, em entrevista ao jornal francês L’Equipe.

A imprensa europeia especula que o Barcelona está disposto a fazer de tudo para reduzir o preço de Neymar. A capa do periódico espanhol Mundo Deportivo, desta sexta-feira (14), revela que o clube catalão está disposto a oferecer três jogadores franceses, em troca do brasileiro. Seriam eles: Dembélé, Todibo e Umititi.

De acordo com a publicação, Dembélé seria o trunfo. Apesar do rendimento pouco satisfatório, desde sua chegada ao Barcelona, a baixa idade do jogador, de 22 anos, e sua condições físicas e técnicas, fazem com que o Paris Saint-Germain não descarte uma possível negociação, embora Al Khelaifi, dono do clube francês, não pretenda se desfazer de Neymar. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.