Arquivo/Estadão
Arquivo/Estadão

Ex-goleiro da seleção e do São Paulo, Waldir Peres morre aos 66 anos

Ídolo do São Paulo e titular na Copa do Mundo de 1982, ex-arqueiro sofreu enfarte neste domingo

Estadão Conteúdo

23 de julho de 2017 | 17h33

Morreu neste domingo, aos 66 anos, Waldir Peres, um dos maiores goleiros da história do futebol brasileiro. O ídolo do São Paulo e da Ponte Preta sofreu um enfarte enquanto participava de uma festa em Mogi Mirim, no interior de São Paulo. As informações sobre velório e sepultamento ainda não foram divulgadas pelos familiares do ex-jogador. 

Waldir Peres foi titular da seleção brasileira que disputou a Copa do Mundo de 1982, considerada, por muitos, o melhor time que o Brasil já formou em um Mundial, sob o comando de Telê Santana. Jogou ao lado de grandes craques como Falcão, Zico e Sócrates.

Nascido em Garça, interior de São Paulo, ele foi revelado pela Ponte Preta nos anos 1970. Chegou ao São Paulo em 1973 e desde então virou titular. Ele é o segundo jogador com mais atuações pelo clube, com 617 partidas. Só perde para Rogério Ceni, com 1.237.

Pelo time do Morumbi, foi campeão brasileiro de 1977, numa decisão disputada com o Mineirão lotado. O jogo terminou 0 a 0 e o título foi decidido nas cobranças de pênaltis. Os atleticanos chutaram para fora três cobranças e Waldir Peres, com moral, foi titular da seleção brasileira na Copa da Espanha. Na época, o técnico Telê Santana optou por Waldir Peres e não convocou Leão, do Palmeiras, que tinha um temperamento forte. E também vetou a presença de Jorge Mendonça, que brilhava com a camisa do Guarani. 

Além disso, foi tricampeão paulista (1975, 1980 e 1981). O goleiro ainda defendeu América-RJ, Guarani, Corinthians, Portuguesa, Santa Cruz e novamente Ponte Preta em 1989, quando encerrou a carreira. Waldir Peres também trabalhou como técnico, comandando diversos clubes do interior de São Paulo, como São Bento, Inter de Limeira, Ferroviária e Araçatuba. Não viu futuro e preferiu ficar fora do futebol.

HOMENAGEM

Companheiro de Waldir Peres durante a Copa de 1982, o ex-lateral Júnior, hoje comentarista, falou sobre a morte do antigo colega durante a transmissão do jogo entre Fluminense e Corinthians na TV Globo, neste domingo, pelo Campeonato Brasileiro. "Waldir Peres foi 'parceiraço', uma figura ímpar. É o segundo companheiro daquele time de 82 que perdemos. O primeiro foi o Magrão (Sócrates, falecido em 2011)", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.