Javier Lizón/EFE
Javier Lizón/EFE

Ex-goleiro Molina assume vaga de Hierro na direção da federação espanhola

'É o melhor lugar onde se pode trabalhar', disse novo dirigente da Espanha em sua apresentação

Estadão Conteúdo

09 Julho 2018 | 07h14

Enquanto a Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF) não define o substituto de Fernando Hierro na função de treinador da seleção nacional, o cargo anterior do ex-zagueiro foi preenchido nesta segunda-feira. A entidade anunciou o ex-goleiro José Francisco Molina como seu novo diretor esportivo.

+ Semifinalista, seleção da Bélgica é uma mistura de nacionalidades

+ No banco da seleção croata, ‘tia Iva’ faz história na Copa da Rússia

+ Thierry Henry, o inimigo íntimo da França em semifinal contra Bélgica

Hierro ocupava justamente este cargo até as vésperas da estreia espanhola na Copa do Mundo. O anúncio surpresa do técnico Julen Lopetegui de que havia fechado com o Real Madrid para depois do Mundial revoltou a RFEF, que havia renovado seu contrato, e definiu a demissão do treinador. Hierro, então, assumiu emergencialmente a função.

A campanha da Espanha na Rússia, porém, ficou bem abaixo do esperado. Em quatro partidas, venceu apenas uma vez e empatou as outras três, incluindo diante da Rússia, nas oitavas, quando foi eliminada nos pênaltis. A RFEF, então, definiu que Hierro não seguiria como técnico e lhe ofereceu novamente o cargo de diretor esportivo, que foi recusado por ele.

"Agradeço a confiança da RFEF para ocupar este posto. É o melhor lugar onde se pode trabalhar. Abre-se uma nova etapa e esperamos poder seguir com os êxitos de todas as seleções", declarou Molina em sua apresentação. "Nos últimos anos, foram feitas muitas coisas boas na RFEF, um trabalho magnífico. Logicamente, é preciso mudar coisas, mas abre-se um novo período com muitos sonhos."

 

Uma das primeiras obrigações de Molina como diretor da RFEF será justamente ajudar na escolha de um novo técnico para a seleção. Nos últimos dias, a imprensa local deu como certa a chegada de Luis Enrique, ex-Barcelona, para o cargo, mas o novo dirigente preferiu despistar sobre o nome.

"Gostaria de contar com um treinador de êxito. Não é preciso variar muito o estilo de jogo, mas é necessário, sim, introduzir algumas modificações", considerou. "A decisão de quem será o treinador é do presidente e da junta diretiva. Eu dei a minha opinião, obviamente."

Presidente da RFEF, Luis Rubiales também falou sobre o processo de escolha do novo técnico e indicou que ele deve ser definido ainda nesta segunda, após uma reunião da junta diretiva da entidade, que acontecerá nas próximas horas.

"Daqui a pouco, há a reunião, e é provável que ao término da mesma comuniquemos o nome do novo treinador", projetou. "Um treinador tem que ser uma pessoa de caráter, que imponha seu critério no vestiário. Buscamos um líder incontestável, que marque dentro do vestiário. Esta é a seleção do futuro."

José Francisco Molina tem 47 anos e marcou época no futebol espanhol como goleiro nos anos 1990 e 2000. Revelado pelo Valencia, atuou por empréstimo por Alzira e Villarreal até chegar e passou pelo Albacete até chegar ao Atlético de Madrid, em 1995, onde estourou. Também brilhou com as cores do Deportivo La Coruña, entre 2000 e 2006, antes de encerrar a carreira no Levante.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.