Ex-jogador e ídolo do São Paulo, Pedro Rocha morre aos 70 anos

Considerado por Pelé um dos melhores do mundo, uruguaio sofria de doença degenerativa

Marcio Dolzan, O Estado de S. Paulo

03 Dezembro 2013 | 00h25

SÃO PAULO - Meia de futebol técnico e elegante, apontado por Pelé como "um dos cinco melhores jogadores do mundo" em 1968, o ex-jogador de Peñarol, São Paulo e seleção uruguaia Pedro Rocha morreu na noite desta segunda-feira, 2, aos 70 anos, a apenas um dia de seu aniversário. Ele sofria de uma doença cerebral degenerativa e passou por uma internação na Santa Casa de Misericórdia. 

 

A notícia foi confirmada por Marco Aurélio Cunha, que conviveu com o ex-jogador durante sua passagem pelo São Paulo. "Acho que todos que viveram o futebol nos anos 70 o consideram um dos 10 melhores jogadores do mundo. Um maestro, que deixou a história marcada no São Paulo, um dos quatro uruguaios que fizeram história no clube e, definitivamente, o mais técnico deles",  disse o vereador e ex-dirigente do clube tricolor.

 

Jogador destro que gostava de atuar pelo lado esquerdo do campo, o uruguaio Pedro Rocha jogou por quatro clubes no Brasil, mas foi no São Paulo, onde atuou de 1970 a 1977, que o meia fez história. Com a camisa tricolor, Pedro Rocha disputou 375 jogos e marcou 113 gols, ajudando o clube a conquistar os Paulistas de 1971 e 1975, além do Brasileiro de 1977. "Meu melhor ano no São Paulo foi em 1975. Durante o ano inteiro, perdemos só uns três jogos, e, é lógico, ganhamos muito em bichos", lembrou o então jogador em entrevista ao Jornal da Tarde de 31 de janeiro de 1977.

 

Pedro Rocha assinou com o São Paulo logo após a Copa de 1970, vindo do Peñarol. O meia havia chegado ao clube uruguaio em 1961 e participara de um dos maiores times da história, que tinha Maidana, Caño, Lezcaño, Caetano, Abadie, Sasia e Forlán, dentre outros. Com a camisa do Peñarol, ganhou o apelido de 'El Verdugo' e conquistou três campeonatos nacionais, duas Libertadores da América e dois Mundiais Interclubes. Foi convocado para a seleção uruguaia para disputar a Copa de 1962, participando ainda das três edições seguintes.

 

No Brasil, além do São Paulo, Pedro Rocha atuou por Coritiba, Palmeiras e Bangu, mas já em fim de carreira e sem mais exibir todo o seu futebol. Antes de pendurar as chuteiras, em 1980, jogou ainda por Deportivo Neza e Monterrey, do México, e Al Nassr, da Arábia Saudita. Pelo Uruguai, fez 57 jogos e marcou 17 gols. Depois de encerrar a carreira como jogador, Pedro Rocha virou treinador de futebol. Treinou 20 clubes entre 1981 e 2009, quando sofreu um AVC. Deixou o futebol de lado naquele ano. Disse, certa vez, que "atleta de verdade é aquele que pôs na cabeça que o importante é vencer". Pedro Rocha foi um atleta de verdade.

 

CURRÍCULO

Pedro Virgilio Rocha Franchetti

Meia, jogou profissionalmente de 1961 a 1980

620 jogos e 213 gols, por oito clubes e pela seleção uruguaia

Mais conteúdo sobre:
Pedro Rochafutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.