Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Sergei Chirikov/EFE
Sergei Chirikov/EFE

Ex-jogadores apostam em primeira fase tranquila para seleção de Tite

Resultado de sorteio agrada e na opinião dos entrevistados, equipe brasileira deve avançar em primeiro lugar na Copa

Ciro Campos, Daniel Batista, O Estado de S. Paulo

02 de dezembro de 2017 | 07h00

Suíça, Costa Rica e Sérvia não amedrontam ex-jogadores da seleção brasileira ouvidos pelo Estado nesta sexta-feira, dia do sorteio dos grupo da Copa do Mundo da Rússia. Para quem já defendeu a equipe em outras edições da competição, os comandados do técnico Tite não devem ter dificuldades em passar para as oitavas de final como primeiro lugar do grupo B.

+ Técnico da Sérvia vê Brasil com grande vantagem no grupo

+ Caminho na Copa aponta possível final Brasil x Alemanha

+ Sorteio da Copa faz Brasil percorrer 7 mil km na primeira fase

"Acho que os grupos saíram bem equilibrados. Temos totais condições de sair em primeiro desse grupo. Vimos os grupos mais complicados, mas acho que nosso grupo está mais acessível", disse ao SporTV o ex-atacante Ronaldo. Os três adversários do Brasil na primeira fase já enfrentaram a seleção em Mundiais anteriores e apenas a Sérvia, ainda como antiga Iugoslávia, conseguir vencer, em 1930.

Esse histórico levou o ex-atacante Eder Aleixo a ser bastante otimista ao analisar os adversários. "Que grupo fácil. Temos a obrigação de passar e vencer bem os três jogos. Eu com 70 anos conseguiria jogar em um grupo desse. O Brasil já está nas oitavas de final. Não acho que tenha nenhum time que possa oferecer qualquer perigo", comentou o ex-jogador, que disputou a Copa de 1982.

A seleção não perde um jogo da primeira fase de Copa do Mundo desde 1998, na França. Naquele ano, porém nos 2 a 1 sofridos de virada diante da Noruega a equipe do técnico Zagallo já estava classificada em primeiro lugar da chave e colocou na última rodada uma formação mista e sem os principais titulares. 

Com base nesse histórico, o ex-zagueiro Oscar Bernardi descarta muitas dificuldades. "Pode até ser um pouco difícil, mas o Brasil vai se sair bem. A lógica é passar em primeiro lugar", comentou. Outro ex-defensor, Mauro Galvão, concordou com o colega. "A Suíça talvez seja o melhor time depois do Brasil e vive um bom momento. Mas para o nosso padrão, não temos que nos preocupar muito", disse.

Experiente no comando de seleções estrangeiras, o treinador Renê Simões também vê o Brasil favorito. "A Suíça é um futebol mais chato. Não acho que a Costa Rica virá tão forte como foi em 2014. Já a Sérvia é sempre uma incógnita, porque tem qualidade, mas assim como outros países da antiga Iugoslávia, não manteve um campeonato local forte. Acho que o Brasil vence as três partidas", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.