Ex-jogadores denunciam doping na Itália

Ex-jogadores de futebol da Itália resolveram abrir o jogo e foram à Justiça admitir uso de doping. Atletas que atuaram nos anos 80 e começo da década de 90 estão alarmados com o aumento dos casos de mortes de antigos companheiros, em conseqüência de uso de substâncias proibidas. Por isso, estão dispostos a falar sobre o assunto, um dos grandes tabus do esporte. Já há algum tempo, as autoridades médicas e policiais investigam a associação de mortes de esportistas, vítimas do Mal de Gehring, e uso de doping. Nos últimos anos, foram registados 15 casos. O mais recente, há duas semanas, atingiu Ubaldo Nanni, 44 anos, ex-zagueiro do Pisa. Em setembro, morreu Ginaluca Signorini (ex-Roma, Genoa, Parma) e em julho de 2002, Fabrizio di Pietropaolo, que teve passagem pelo Parma. Foram velhos companheiros de Signorini os primeiros a confessar, em interrogatórios comandados pelo promotor Rafaelle Guariniello, que haviam consumido produtos hormonais proibidos pelas leis esportivas. "Decidi falar, porque estou abalado com isso", afirmou um dos ex-atletas. "É uma questão de consciência." O Mal de Gehring provoca esclerose múltipla e está associado a consumo excessivo de remédios e anabolizantes. Atualmente, há vários outros ex-profissionais que lutam contra a doença.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.