Ex-jogadores desmentem Maradona e negam doping

Ex-jogadores da seleção da Argentina desmentiram nesta terça-feira as declarações polêmicas de Diego Maradona, que insinuou doping na equipe na disputa da repescagem da Copa do Mundo de 1994. O ídolo argentino afirmara ainda que os atletas não foram submetidos a exames antidoping para o confronto, realizado contra a Austrália, no ano anterior ao do Mundial.

AE, Agência Estado

24 de maio de 2011 | 15h58

Segundo Maradona, os jogadores argentinos receberam um café "batizado" momentos antes da partida decisiva - em caso de derrota, a seleção ficaria de fora do Mundial. A bebida teria como objetivo dar mais energia aos atletas para o jogo.

Nesta terça, porém, ex-companheiros de time de Maradona negaram que tenham ingerido qualquer substância ilegal antes da partida. Hugo Perez, Jorge Borelli e Jose Chamot afirmaram que "estavam apenas concentrados no jogo". No entanto, os atletas confirmaram que não fizeram exames antidoping ao fim da partida.

"Ficamos sabendo que não haveria exames dias antes do jogo, mas não demos qualquer importância a isso", afirmou o meia Hugo Perez. "O que Diego disse sobre não haver controle antidoping é verdade", completou.

O ex-zagueiro Jose Chamot também negou ter ingerido substâncias ilegais. "Eu não precisava dessas coisas. Algumas vezes eles nos davam vitaminas como suplemento para as nossas jornadas, mas nada além disso. Se havia algo para fazer o time correr mais, eu não fui incluído nisso".

Citado por Maradona na segunda, o presidente da Associação de Futebol da Argentina (AFA), Julio Grondona rebateu as declarações do ex-atleta, mas não comentou a denúncia de doping. Segundo Maradona, o dirigente sabia sobre o café "batizado".

Grondona, de 79 anos, respondeu apenas às críticas sobre sua permanência na presidência da AFA há 32 anos. "Estou velho, mas saudável. Não estou como alguns que não estão saudáveis, e não por causa de problemas naturais", alfinetou o dirigente.

Depois de assegurar a vaga na Copa com a seleção, Maradona foi flagrado no exame antidoping durante o Mundial. Ele deu positivo após a partida contra a Nigéria, pela fase de grupos. Sem o astro, a equipe sul-americana foi eliminada pela Romênia nas oitavas de final. Já Maradona foi suspenso por 15 meses pela Fifa.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolMaradonadoping

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.