Hannibal/Reuters
Hannibal/Reuters

Ex-presidente da Fifa, Joseph Blatter revela que superou a covid-19 há um mês

'Fui infectado pelo vírus, tive resfriado e febre alta, fiquei 14 dias de quarentena e agora estou recuperado', disse o ex-dirigente

Redação, Estadão Conteúdo

05 de dezembro de 2020 | 11h22

Joseph Blatter, ex-presidente da Fifa que cumpre seis anos de suspensão por "pagamento indevido" ao ex-presidente da Uefa, Michel Platini, revelou que testou positivo para a covid-19 no mês passado e que já se recuperou da doença. O dirigente de 84 anos contou que passou duas semanas internado num hospital na Suíça.

"Fui infectado pelo vírus, tive resfriado e febre alta, fiquei 14 dias de quarentena e agora estou recuperado, sem sintomas e pronto para lutar novamente", disse Blatter, em entrevista ao jornal norte-americano The Athletic.

Blatter, que comandou a Fifa por 17 anos até deixar o cargo em junho de 2015, em meio a uma crise de corrupção na entidade máxima do futebol, afirmou que se sentiu mal por uma noite e resolveu visitar seu médico, que o encaminhou a um hospital em Zurique. Como tem 84 anos, ele pertence ao grupo de risco. No entanto, o dirigente garante que está bem e recuperado.

Na entrevista, Blatter reconheceu que tem arrependimentos em relação ao período em que presidiu a Fifa, de 1998 a 2015, mas que não pode "mudar a história".

"Decisões foram tomadas. Essa é a realidade. Você pode se arrepender de tudo, mas não pode mudar isso. Você não pode fazer ensaios para ver o que pode acontecer. É por isso que eu tenho que aceitar, mesmo com todos os arrependimentos que tenho", avaliou.

Banido do futebol, ele foi interrogado recentemente pela Justiça suíça para responder a um inquérito sobre o pagamento de US$ 2 milhões (cerca de R$ 10,3 milhões) que teria feito a Michel Platini na época em que era presidente da Fifa e o francês, mandatário da Uefa.

"Não fiz o suficiente para esclarecer todas as situações. É disso que me arrependo. Para esclarecer as coisas que não fiz. E então fui suspenso e não pude fazer mais nada".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.