Albert Gea/Reuters
Albert Gea/Reuters

Ex-presidente do Barça foi investigado por compra ilegal de fígado para Abidal

Atualmente, Sandro Rosell está preso por lavagem de dinheiro, mas teria sido inocentado desta acusação

Estadão Conteúdo

04 Julho 2018 | 08h54

Afundado em problemas judiciais, o ex-presidente do Barcelona Sandro Rosell viu um novo caso envolvendo seu nome estourar na Espanha nesta quarta-feira. E este, dos mais insólitos. O ex-dirigente foi investigado por suposta compra ilegal de um órgão humano, no caso, um fígado.

+ Ricardo Teixeira 'desviou' dinheiro da CBF em esquema com Valcke e Rosell

+ Teixeira usou rede de empresas de fachada para desviar dinheiro, dizem Espanha e Andorra

De acordo com o jornal El Confidencial, escutas gravadas pela guarda civil e a polícia espanhola comprovariam a compra do fígado por Rosell em 2011. O beneficiado com a negociação seria o ex-jogador Eric Abidal, diagnosticado com um câncer no órgão e que em 2012 foi submetido a um transplante.

A suposta compra teria acontecido por causa de uma recaída de Abidal. O lateral brasileiro Daniel Alves chegou a se oferecer para o transplante, mas, de acordo com o Barcelona na época, o doador do órgão teria sido um primo do jogador francês.

Imediatamente após a acusação, o Tribunal Superior de Justiça da Catalunha (TSJCat) se manifestou através das redes sociais. O órgão confirmou que, de fato, recebeu a denúncia e chegou a abrir investigação, mas revelou que isto aconteceu há um ano e que o caso foi arquivado por falta de provas.

"O tribunal recebeu, há pouco mais de um ano, uma inibição pelo Tribunal Nacional em relação a supostos atos criminosos que implicariam Sandro Rosell por uma suposta compra ilegal de um órgão. O tribunal conduziu uma série de processos que não permitiram definir nem o delito criminal e nem o alegado autor. Portanto, com um relatório favorável do Ministério Público, foi acordado arquivar o processo no início deste ano de 2018", comunicou.

Atualmente presidido por Josep Maria Bartomeu, o Barcelona também se manifestou sobre o caso e negou qualquer atitude ilícita em relação ao transplante de Abidal, que hoje atua como secretário técnico da equipe principal do clube.

"O Barcelona desmente veementemente qualquer ato irregular, como o próprio interessado (Abidal) e os responsáveis pelo Hospital Clínic de Barcelona fizeram. A informação divulgada omite um feito recente, que é o arquivamento da causa por um tribunal de Barcelona, condição que prejudica a honra de Abidal, de todas as organizações ligadas ao transplante, do FC Barcelona e de seu ex-presidente Sandro Rosell", criticou em comunicado.

Os advogados de Rosell também divulgaram nota negando que seu cliente tenha cometido irregularidades neste processo. Ele segue preso em Barcelona, desde maio do ano passado, acusado de lavagem de dinheiro.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.