Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

Ex-presidente do Corinthians não perdoa Pato por cavadinha contra Grêmio em 2013

"Isso não é brincadeira, nem o Pelé, que é o Pelé, eu vi fazendo uma graça daquela. Quem é o Pato para querer fazer aquilo?", disparou Roberto de Andrade

Redação, O Estado de S.Paulo

13 de maio de 2020 | 07h15

Roberto de Andrade, ex-presidente do Corinthians, não perdoa o atacante Alexandre Pato por tentar uma cavadinha contra Grêmio em 2013, defendida pelo goleiro Dida, na eliminação do time de Parque São Jorge nas quartas de final da Copa do Brasil.

"Não vou nem falar que é um jogo super importante de Copa do Brasil. Vamos falar que é um jogo que estamos brincando com os amigos, na pelada da semana, na quadra à noite. Tudo legal, vale a cerveja, o churrasco, qualquer coisa. Você vai perdoar um cara que bateu o pênalti daquele jeito? Brincando, você perdoa?", perguntou o ex-dirigente ao jornalista Jorge Nicola.

"Isso não é brincadeira, nem o Pelé, que é o Pelé, eu vi fazendo uma graça daquela. Quem é o Pato para querer fazer aquilo? Está de brincadeira? Achar que é normal? Normal? Ele está de brincadeira!", afirmou Roberto de Andrade, referindo-se ao jogador que custou R$ 42 milhões,atuou em 62 jogos e marcou 17 gols. Ele foi trocado por Jadson, do São Paulo.

O também ex-diretor corintiano lembrou como foi a negociação para trazer Pato, que estava no Milan, e assinou contrato de quatro temporadas, mas ficou apenas uma. "Eu lembro bem quando nós começamos a falar da contratação do Pato. O treinador (Tite), os pares de clube, todo mundo, sem exceção (aprovou). A mídia quando ficou sabendo era só elogio para o jogador. Todo mundo tinha um 'se ele não se machucar'. Contratamos, ele veio para o Brasil, teve um trabalho excepcional com os fisioterapeutas Bruno (Mazziotti) e Caio (Melo). Puseram ele na linha. É um jogador que infelizmente não deu certo, não deu liga com o elenco do Corinthians, com o jeito que o torcedor gosta. É uma contratação que tinha tudo para dar certo e não deu."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.