Ex-presidente do Vasco falta à CPI

Nem mesmo a Polícia Federal garantiu nesta quinta-feira a presença para depor na CPI do Futebol do ex-presidente do Vasco da Gama Antonio Soares Calçada e do funcionário do clube Aremithas José de Lima. Os dois foram convocados como suspeitos do esquema de desvio do dinheiro do Vasco. Calçada obteve uma liminar do Supremo Tribunal Federal (STF) que impede a comissão de investigar suas contas bancárias.Já Aremithas, terminou sendo flagrado como "laranja" na operação movida pela Portuguesa para receber do Vasco a quantia de R$ 3 milhões, referente ao seguro de vida do atacante Denner, morto num acidente de carro, no Rio de Janeiro, quando estava emprestado ao clube. Na conta do funcionário, foi descoberto o depósito de R$ 2 milhões liberado pela Vasco Licenciamento, empresa criada pelo Bank of America para explorar a imagem do clube.Calçada foi intimado pela Polícia Federal na quarta-feira, quando desembarcava de uma viagem a Portugal. A ordem era a de conduzi-lo "na marra" para depor na CPI. Mas o presidente da comissão, senador Álvaro Dias (PSDB-PR), atendeu a seu pedido e adiou o depoimento para terça-feira que vem. Aremithas Limas encaminhou à CPI uma "declaração médica" que não convenceu aos parlamentares. Não consta no documento nem o nome do médico nem o seu registro no Conselho Regional de Medicina.O atestado informa que Aremithas apresenta "crise hipertensiva, diabete e infarto agudo do miocárdio". O relator Geraldo Althoff (PFL-SC) também estranhou o documento ter sido encaminhado pelo advogado Silvio Godoi, que não apresentou a procuração para representá-lo. "É uma declaração no mínimo estranha", comentou o senador, que é médico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.