Ex-vice da Fifa diz que Blatter é ditador e 'moleque'

Chung Mong-Joon, um ex-vice-presidente da Fifa, chamou o atual presidente da associação, Joseph Blatter, de "pequeno moleque". Além disso, o sul-coreano disse que o suíço governa a instituição, responsável pela organização do futebol mundial, de forma ditatorial.

AE-AP, Agência Estado

12 de setembro de 2011 | 09h41

O dirigente fez a crítica em um livro de memórias publicado na semana passada na Coreia do Sul intitulado "Meu desafio, meu entusiasmo". Chung era considerado o principal candidato a suceder Blatter antes de ser superado em uma eleição na Ásia para a vice-presidência da Fifa no início do ano.

O livro chega às livrarias enquanto Blatter se prepara para apresentar reformas detalhadas contra a corrupção na Fifa em outubro, depois de um ano de escândalos que afetaram o futebol mundial.

"O presidente Blatter fala cinco idiomas fluentemente, é bom com as palavras e é inteligente. Mas eu acho que não é um cavalheiro internacional e é uma espécie de pequeno moleque", disse Chung no livro.

Chung, que ocupou o cargo de vice-presidente da Fifa por 16 anos, acusou Blatter de tentar usurpar a autoridade do comitê executivo da associação por meio da proposta de criar um comitê supervisor anticorrupção que poderia incluir o ex-diplomata dos Estados Unidos Henry Kissinger e o cantor de ópera espanhol Plácido Domingo.

"O comitê executivo [da Fifa] é um órgão independente que busca desempenhar as funções de ''revisão e equilíbrio'' para evitar que o presidente vá além de sua própria autoridade. Blatter agora tenta tirar poder do comitê executivo e neutralizar qualquer tentativa de rever seu poder", disse Chung. "É um esquema similar ao que muitos ditadores usaram na história do mundo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.