Exame de Kaká não indica lesão, diz médico da seleção

O meia Kaká segue com esperanças de defender o Brasil no próximo domingo, contra o Equador, em confronto válido pelas Eliminatórias. Nesta terça-feira, o jogador do Milan não participou do treino à tarde na Granja Comary, em Teresópolis, e foi ao Rio de Janeiro para realizar uma tomografia no pé esquerdo. No retorno à Granja, o médico da seleção brasileira, José Luís Runco, disse que o exame não apontou lesão no local.

AE, Agencia Estado

24 de março de 2009 | 19h14

"Ele tem um pouco de dor no pé, e como não tinha nenhuma imagem feita na Itália, nós o levamos para fazer uma tomografia computadorizada", afirmou Runco. O médico ainda fez questão de esclarecer que Kaká já tinha realizado o exame em Milão, mas não tinha os resultados em mãos. O jogador se machucou atuando pelo Milan em 7 de março, e desde então tentou voltar por duas vezes aos gramados, entrando no segundo tempo das partidas, mas ainda sente dores no local.

Sobre a previsão de participação de Kaká no jogo de domingo, Runco não mostrou otimismo quanto à recuperação do meia. "Se fosse responder por hoje (terça-feira) eu diria que ele não tem condições. Mas eu não comecei nada do tratamento ainda", disse o médico da seleção, que ainda deu uma porcentagem sobre as chances de ter Kaká em campo contra o Equador. "Acho que você podia colocar 50%, sem ter feito tratamento nenhum."

Além de Kaká, outro que não treinou com o restante do grupo nesta terça-feira foi o atacante Adriano. O jogador sente dores no tornozelo esquerdo e foi poupado para realizar apenas fisioterapia. Sobre o atleta da Inter de Milão, Runco garantiu que ele se recupera a tempo do jogo de domingo e deve treinar normalmente já a partir desta quarta.

O Brasil está em segundo nas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010, seis pontos atrás do líder Paraguai. A seleção enfrenta o sexto colocado Equador neste domingo, em Quito, e depois recebe o lanterna Peru em Porto Alegre, no Estádio Beira-Rio, em 1.º de abril.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.