?Exames detectaram arritmia leve?

A esposa de Serginho, Elaine Cristina Castro Cunha, de 28 anos, negou nesta quinta-feira, em Coronel Fabriciano, interior de Minas Gerais, onde o marido será sepultado nesta sexta-feira, que o zagueiro tivesse a intenção de encerrar a carreira no final do ano, por causa de problemas cardíacos.Segundo ela, o zagueiro estava confiante de que poderia ter uma vida longa no futebol. Conforme seu relato, na última sexta-feira, ele chegou a dizer que pretendia jogar até os 40 anos. ?Ele brincava que ia pegar o Valdo (meio-campista do Botafogo ainda em atividade), jogar até os 40 anos. Ele não tinha intenção de parar no final do ano (notícia ventilada na quarta-feira, que por causa dos problemas cardíacos, Serginho se aposentaria em dezembro)?, reiterou o cunhado de Serginho, o comerciante Luzio Nunes Filho, de 30 anos. Elaine afirmou que em janeiro, junto com todo o grupo do São Caetano, ele foi submetido a exames de pré-temporada. Os médicos do clube, segundo ela, solicitaram então a realização de ?exames mais detalhados?, que teriam detectado uma arritmia cardíaca leve. Os responsáveis pelo Departamento Médico no entanto teria assegurado ao zagueiro que ele poderia continuar jogando sem problemas. ?Ele nunca assinou termo de responsabilidade. Ele não seria louco de colocar em risco a vida dele?, observou a esposa, desmentindo notícias de alguns companheiros de clube que Serginho vinha atuando com um documento isentando o clube de qualquer responsabilidade caso alguma fatalidade acontecesse.O meio-campista Lúcio Flávio, presente ao velório, revelou que Serginho permaneceu cerca de 10 dias sem treinar, após a bateria de exames realizada no início do ano. EXAMES - O presidente do São Caetano Nairo Ferreira de Souza, voltou a afirmar que os exames realizados em Serginho constataram que o zagueiro não precisaria encerrar a carreira prematuramente por algum tipo de deficiência cardíaca. ?O Serginho estava apto a jogar?, declarou, repetindo o que havia dito na quarta-feira. E o dirigente garantiu novamente que o atleta não assinou nenhum termo de responsabilidade para continuar atuando. ?O São Caetano jamais colocaria em campo um jogador sem condições?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.